El Morya

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page El Morya and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎español • ‎português
Painting of El Morya wearing a yellow turban and a blue robe
O Mestre Ascenso El Morya

El Morya é o chefe do Conselho de Darjeeling da Grande Fraternidade Branca, chohan do primeiro raio e hierarca do Templo da Vontade de Deus, situado no plano etérico sobre Darjeeling, na Índia. É o fundador da Summit Lighthouse, guru e instrutor dos Mensageiros Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet.

Morya representa os atributos divinos da coragem, da exatidão, do poder, da franqueza, autoconfiança, segurança, fé e iniciativa. Essas são as qualidades do princípio do Pai – o estadista, o executivo, o governante. Por manifestar de forma competente essas virtudes essenciais, El Morya usou, durante muitas encarnações, a coroa de autoridade, governando vários reinos, régia e sabiamente. Seu comando não era o de um ditador que exigia dos seus súditos submissão à sua vontade humana; ao contrário, a sua interpretação de governo era a de Deus comandando o homem, e a sua concepção de verdadeiro estadista era a do administrador de Deus. Ele inspirava nos seus súditos a obediência iluminada à sagrada vontade de Deus.

Encarnações de El Morya

Abraão entretendo os três anjos (Gênesis 18:9–15), Jan Victors

Ao longo de todas as suas encarnações até ao presente momento no estado ascenso, o amado El Morya esteve ativamente envolvido no serviço à luz. Como filho de Enoque “que andou com Deus; e já não era, porque Deus para si o tomou” no ritual da ascensão; como um dos videntes que penetrou nas oitavas superiores na antiga terra de Ur dos caldeus; como um nativo da Pérsia, que adorava o Deus Único, Ahura Mazda – nessas e em muitas outras encarnações, aprendeu a fazer experiências com as “eletricidades divinas”, tornando-se cada vez mais consciente do poder espiritual que flui através do homem. Mais tarde, tornou-se perito no uso construtivo do fohat, o misterioso poder elétrico da consciência cósmica (quiescente ou ativo) que impele a força vital que, quando colocada em ação por fiats divinos, move as evoluções de um universo, de uma galáxia, de um sistema solar ou até de um ser humano, do princípio até à conclusão da sua missão.

Abraão

Artígo principal: Abraão

El Morya encarnou como Abraão (2100 a.C.), o primeiro patriarca hebreu, o protótipo e progenitor das doze tribos de Israel. O Judaísmo, o Cristianismo e o Islamismo têm sua origem em Abraão. Embora os eruditos tenham assumido que ele era uma figura mítica ou um semita nômade ou seminômade, as descobertas arqueológicas desde a Primeira Guerra Mundial corroboram o retrato de Abraão traçado pela Bíblia.

Em resposta ao chamado do SENHOR, Abraão deixou Ur, a principal cidade da Suméria, abandonando a cultura e os cultos da Mesopotâmia em uma época em que aquela civilização estava no auge. O SENHOR disse-lhe para se dirigir à terra que Ele lhe mostraria e prometeu torná-la uma grande nação. O Livro do Gênesis descreve Abraão como um homem que possuía um grande rebanho, comandava um exército privado e era reconhecido pelos chefes-líderes vizinhos como um príncipe poderoso.

Ele é o arquétipo do homem de fé. Recebeu o teste supremo de fé quando Deus lhe pediu para sacrificar o filho Isaque. Abraão esperou durante muitos anos até que Sara desse à luz Isaque, que era o cumprimento da promessa do SENHOR de multiplicar a sua semente como “as estrelas do céu”. Abraão obedeceu, mas quando ergueu a faca para matar o filho, o anjo do SENHOR deteve-o e Abraão ofereceu um carneiro em seu lugar

Devido ao relacionamento pessoal de Abraão com Deus e à sua fé exemplar, tanto as escrituras cristãs como as muçulmanas o descrevem como o Amigo de Deus (“El Khalil” na linguagem árabe do Alcorão). No Portão de Jafa, na Cidade Velha de Jerusalém, encontra-se inscrita uma passagem do Alcorão: “Não existe Deus além de Alá e Abraão é o Seu amado”.

Melchior

Artígo principal: Melchior

Retornando como Melchior, um dos três Reis Magos do Oriente, ele seguiu a estrela que anunciava o nascimento do melhor de sua semente, que realizaria todas as promessas de Deus a seus descendentes espirituais. O Mestre disse:

Há muito tempo, quando meu nome era conhecido como Melchior e eu vim com Kuthumi e Djwal Kul como um dos sábios do Oriente, quando vim montando um camelo para colocar minha oferta aos pés do Cristo, eu sabia então que um dia eu deveria me dedicar ao serviço da vontade de Deus. E assim, vendo seu Filho como o epítome da boa vontade, viajei para ele com o coração cheio de amor, para oferecer-lhe minha mão, coração e cabeça na dimensão divina. Prometi tudo ao jovem bebê, e lembrei-me e lembrei da vontade de Deus, que se manifestava no cântico dos ministros angélicos que vinham do céu, com cantos de louvor a Deus: “Glória a Deus nas alturas.[1]

Rei Artur

Artígo principal: Rei Artur

Como o Rei Artur (século cinco), guru da escola de mistérios de Camelot, guardou os ensinamentos internos. Reuniu os cavaleiros da Távola Redonda e as damas da corte para buscar o Santo Graal e atingir, por meio de iniciações, os mistérios do Cristo. Enquanto usou a coroa, união, ordem e paz prevaleceram na Inglaterra. Saint Germain estava encarnado como Merlin, conselheiro mistico do Rei Artur e seus cavalheiros da busca do Graal.

caption
O martírio de Thomas Becket, de um Livro das Horas medieval (c.1390)

Thomas Becket

Artígo principal: Thomas Becket

Como Thomas Becket (1118-1170) foi Chanceler do Reino, amigo e conselheiro de Henrique II. Quando se tornou arcebispo de Canterbury, prevendo que os seus deveres na função se chocariam inevitavelmente com a vontade do rei, renunciou à Chancelaria, contrariando o desejo do monarca.

Becket transformou as suas competências administrativas e sutileza diplomática que o distinguiram como Chanceler em ardor e devoção como arcebispo. Tornou-se um forte defensor do papado, assim como havia sido do rei, e excomungava livremente cortesãos e nobres pelo uso ilícito que faziam da propriedade da Igreja e por outras infrações. Diante da intenção do rei de aprisioná-lo, Becket se exilou na França durante seis anos. Retornou à Inglaterra após uma reconciliação parcial com o rei, apenas para recomeçar a se desentender com ele.

Em 29 de dezembro de 1170, foi brutalmente assassinado na Catedral de Canterbury, quando quatro cavaleiros da corte levaram ao pé da letra o comentário do rei de que gostaria de se livrar “desse bispo turbulento.” Sem fazer concessões até o final, Becket disse aos cavaleiros: “Mesmo que todas as espadas da Inglaterra estivessem apontadas para a minha cabeça, nunca me faríeis trair a Deus ou ao Papa”. Mais de 500 milagres de cura lhe foram atribuídos, poucos anos após a sua morte, e ele foi canonizado três anos mais tarde.

Thomas More wearing the chain of office of chancellor
Sir Thomas More, Hans Holbein the Younger (1527)

Thomas More

Artígo principal: Thomas More

Morya também encarnou como Sir Thomas More (1478-1535), o “homem para todas as estações”. A profunda devoção de More a Deus fez com que prezasse a sua vocação religiosa e praticasse uma extraordinária austeridade, durante mais de quatro anos, para testar a sua autodisciplina. No entanto, decidiu casar e a sua esposa e os quatro filhos foram a sua grande alegria e único consolo nos dias difíceis que enfrentou. A sua famosa propriedade em Chelsea abrigava toda a família, inclusive os 11 netos.

Ao longo dos anos, a sua “pequena Utopia”, como ele frequentemente a chamava, tornou-se um centro de estudos e cultura, comparada por Erasmo à “academia de Platão” – uma casa amigável frequentada pelos homens mais ilustrados da época, inclusive o próprio rei, em busca de aconselhamento e consolo. Em Chelsea, More escreveu o seu mais famoso trabalho, intitulado Utopia, uma espirituosa exposição da superficialidade da vida na Inglaterra e das flagrantes imperfeições da lei inglesa.

Em 1529, Sir Thomas More foi nomeado Chanceler do Reino e Guardião do Grande Selo, pelo rei Henrique VIII. Apesar de todas as honrarias e realizações, More não buscava a estima dos homens; era conhecido pela sua presteza, eficiência e justiça imparcial. Continuou sensível às necessidades das pessoas comuns e caminhava diariamente pelas ruas estreitas de Londres para indagar sobre a vida dos pobres.

Sir Thomas devotou-se ao cumprimento dos seus deveres com o maior zelo até que Henrique, necessitado de um herdeiro para o trono, que não tinha, declarou nulo o seu casamento com Catarina de Aragão e anunciou a sua intenção de desposar Ana Bolena. Como o divórcio foi realizado sem a aprovação papal e em direta oposição às leis da Igreja, More recusou-se a apoiar a decisão do rei.

Em 1532, no auge da carreira, renunciou ao seu cargo e retirou-se para Chelsea onde, profundamente preocupado com as heresias da revolta de Lutero, continuou a escrever em defesa da fé católica. Sem amigos e sem cargo, More e a sua família viveram na maior pobreza. No entanto, Henrique sentiu-se insultado pela desaprovação pública expressa pelo Chanceler e procurou difamá-lo para restaurar a sua imagem real.

Quando More se recusou a fazer o Juramento da Supremacia (que implicava na rejeição da supremacia papal e na admissão de Henrique como líder da igreja da Inglaterra), foi preso na Torre de Londres. Quinze meses mais tarde, foi condenado por traição devido a falso testemunho. Foi decapitado em Tower Hill, em 6 de julho de 1535, afirmando-se “um bom servo do rei, mas em primeiro lugar de Deus”. Foi canonizado 400 anos mais tarde, em 1935.

Thomas More ficou conhecido pela sua inteligência. O autor Anthony Kenny observou que More “foi a primeira pessoa a encarnar o peculiar ideal inglês de que o homem bom não enfrenta as adversidades e as crises com resignação silenciosa nem com uma sublime afirmação de princípios, mas sim com um gracejo. Um dos seus mais recentes biógrafos disse apropriadamente que ‘More nunca foi tão espirituoso como nos momentos em que estava menos divertido’”.

Advogado, juiz, estadista, homem de letras, escritor, poeta, lavrador, amante da vida religiosa, asceta, marido e pai, defensor da educação feminina, humanista e santo, Thomas More destacou-se entre a vanguarda da Renascença inglesa.

caption
Akbar convoca uma assembléia religiosa

Akbar

Artígo principal: Akbar o Grande

A encarnação seguinte de Morya foi como Akbar, o Grande (1542-1605), fundador do império mogol na Índia e o maior de seus governantes. Durante o seu reinado, acabou com a discriminação contra os hindus e aceitou-os no governo, servindo em condição de igualdade com os muçulmanos. As suas orientações políticas foram consideradas as mais iluminadas do seu tempo.

Thomas Moore

Artígo principal: Thomas Moore

Foi também Thomas Moore, o poeta irlandês (1779-1852) que escreveu diversas baladas e é lembrado especialmente por "Believe Me If All Those Endearing Young Charms". Até hoje a canção evoca o poder do seu intenso amor pela vontade de Deus como representante do bem mais elevado – a imagem imaculada de toda alma, que não se deixa afetar pelo peso do mundo.

El Morya Khan

Na sua encarnação final, El Morya foi um príncipe rajput na Índia que, mais tarde, se tornou monge e frequentou os retiros dos Himalaias. Conhecido como Mestre M., tentou, junto com Kuthumi e Djwal Kul, familiarizar a humanidade com o funcionamento da Lei e da hierarquia por meio dos textos de Madame H. P. Blavatsky. Com o Mestre K. H. e com Saint Germain, fundou a Sociedade Teosófica.

Morya ascendeu em 1898 e continua a trabalhar pela manifestação de um governo divino na Terra por meio da chama da boa-vontade e dos seus chelas encarnados.

O significado de seu nome

El Morya disse que seu nome é Maraya. O Ma representa as influências maternas de Deus. O Ra representa o Pai, as influências masculinas de Deus, chamadas pelos antigos egípcios Ra. Hoje as chamamos de "raio", como em um raio do sol. 'Ya' é o Yod flamejante ou o poder do Espírito Santo, a terceira parte da Trindade da consciência divina. El no hebraico antigo refere-se ao Elohim ou a Deus.

Assim, no nome Morya El, ou Maraya El, encontramos um ser sem nome que deliberadamente escolheu um nome para glorificar a Deus e a quem foi dado um novo nome que ele usou, que glorifica a Deus.

Ao analisar muitos dos nomes dos Grandes Seres, mesmo Sri Magra e outros antes dele, descobrimos que sempre os nomes foram identificados com a Divindade, porque os próprios indivíduos foram absorvidos pela Divindade.

A missão de El Morya hoje

Chefe do Conselho de Darjeeling

El Morya é o hierarca do Templo da Boa Vontade no plano etérico sobre a cidade de Darjeeling, na Índia, no sopé dos Himalaias. Esse retiro é uma mandala e um campo de força que é usado pelas hierarquias solares para liberar incrementos de energia cósmica para o planeta. Juntamente com os membros do Conselho de Darjeeling, os Irmãos do Coração Diamantino que servem neste retiro sob El Morya ajudam a humanidade organizando, desenvolvendo, dirigindo e implementando a vontade de Deus como base para todos os movimentos organizados de sucesso.

El Morya diz:

Meu serviço continua no Retiro da Fraternidade em Darjeeling, onde estou aconselhando, com outros irmãos da vontade de Deus, tantas das evoluções da Terra que servem nos governos das nações, que servem como professores, cientistas e músicos, e aqueles que controlam o fluxo da vontade de Deus que é o poder, que é a abundância de suprimentos. A vontade de Deus é aplicada em todos os níveis do empreendimento humano, pois a vontade de Deus é a matriz de todo projeto. É o fundamento de toda tarefa. É o esqueleto do vosso corpo. É energia física. É fogo etérico. A vontade de Deus é o diamante ardente em vosso coração.[2]

A mente brilhante de Deus é o coração de qualquer empreendimento. Funcionários públicos, líderes mundiais e comunitários e detentores de cargos públicos são instruídos, entre encarnações e em seus corpos mais refinados durante o sono, para renovar o ímpeto de Morya para um propósito e atualizar sua compreensão dos meandros da vontade de Deus na política, na religião, nos negócios e na educação. Mestres ascensos e não ascensos e seus chelas se reúnem no retiro de Morya frequentemente para discutir problemas nacionais e internacionais e os meios para sua solução. Foi aqui que o Mestre Ascenso El Morya recebeu o Presidente John F. Kennedy após sua morte em 1963.

A Fundação da The Summit Lighthouse

Nas décadas de 1920 e 1930, o Mestre Ascenso El Morya trabalhou com Nicholas e Helena Roerich, que publicaram seus escritos em numerosas obras.

El Morya fundou a The Summit Lighthouse em 1958 em Washington, D.C., com o propósito de publicar os ensinamentos dos mestres ascensos transmitidos aos mensageiros Mark e Elizabeth Prophet, continuando seu trabalho de tantas encarnacoes pelo estabelecimento do conceito de um governo divino na Terra.

O chamado dos mensageiros manifestou-se em múltiplos esforços patrocinados pelo Conselho de Darjeeling: o estabelecimento da ordem da Fraternidade dos Guardiães da Chama por Saint Germain em 1961 para dar instruções graduadas em direito cósmico; a fundação de Montessori International por Mãe Maria, Jesus e Kuthumi, com base nos princípios de Maria Montessori e incluindo os ensinamentos dos mestres ascensos; a fundação da Summit University; e a colocação do selo de Deus sobre Igreja Universal e Triunfante, a escola de mistérios de todos os mestres da Grande Fraternidade Branca e a comunidade de almas ascensas e nao ascensas na senda da iniciação, do Oriente e do Ocidente, em Cristo e Buda.

Trabalho com Kuthumi e Djwal Kul

El Morya disse que, desde 6 de janeiro de 1998, os três Reis MagosKuthumi, Djwal Kul e ele mesmo – nos ensinam as chaves para a senda da ascensão e patrocinam todos os que desejam fazer a ascensão nesta vida. Esses mestres ajudar-nos-ão a equilibrar o nosso carma e permanecerão conosco até que determinadas almas importantes tenham ascendido.

El Morya, Kuthumi e Djwal Kul representam as três plumas da chama trina do coração – El Morya a pluma azul; Kuthumi, a amarela; e Djwal Kul a cor-de-rosa. Eles vêm para equilibrar as nossas chamas trinas com as suas. Se seguirmos esses três reis e a estrela da criança Crística, chegaremos à manjedoura do nosso potencial Crístico e da nossa Cristicidade.

Discipulado sob El Morya

Em 1995, Morya explicou o que é necessário para nos tornarmos seus chelas:

“Constância é a virtude-chave que preciso encontrar naqueles que desejam verdadeiramente tornar-se um só comigo. Se for treinar-vos pessoalmente, amados, preciso obter de vós uma constância inflexível para que possais manter um nível permanente de absorção da chama azul da vontade de Deus e entrar, dia a dia, no fogo sagrado do primeiro raio. Precisais estar dispostos a aceitar todas as reprimendas e correções – a aceitá-las rapidamente e também a vos corrigirdes rapidamente. Precisais ter um momentum de decretos aos mestres ascensos que servem principalmente no primeiro raio. Precisais fazer alguns (ou todos) os decretos do raio azul, seja a mim, a Surya, Himalaia, Vaivasvata ou ao Arcanjo Miguel.

Digo-vos, amados: quando estiverdes saturados do raio azul e atentos a todos os estados mentais fora de alinhamento que poderíeis ter, vereis que me tornarei o vosso defensor. E, uma vez defensor de um chela, trabalharei com ele até ao fim, portanto, amados, não penseis que aceito um chela de forma irrefletida.

Muitos de vós são chelas em formação. Mas preciso testar-vos por muitos anos, às vezes por muitas vidas, antes de receber de Deus Todo-Poderoso um sinal de que posso me sobrecarregar, aceitando outro estudante.

Conscientizai-vos do seguinte, amados: é conveniente tornarde-vos devotos da vontade de Deus, pois assim aumentareis, aumentareis, e aumentareis gradativamente os anéis azuis ao redor dos vossos quatro corpos inferiores e da circunferência da vossa vida. E, quando tiverdes dado as vossas provas debaixo do fogo de muitas situações insustentáveis ou devastadoras e tiverdes vos saído bem, saberemos que temos um chela de primeira linha e receber-vos-emos para que sejais ungidos diante do Conselho, em Darjeeling.

Sim, é uma oportunidade muito especial e todos podem tornar-se merecedores. Falo sobre isso, amados, porque pesquisei em toda a Terra, escutei os ditados que foram dados nesta conferência e compreendi que existem muitas pessoas no mundo, muitas, que gostariam de buscar e encontrar este ensinamento, se soubessem que ele existe.

Uma vez que estou prestes a patrocinar milhões de almas para esta organização e esta senda, preciso estar certo de que vós, que estais aqui e sois as fundações desta comunidade ao redor do planeta, me sois fiéis”.[3]

Retiros de El Morya

caption
El Capitan, no Vale Yosemite, Califórnia

Artígo principal: Templo da Boa Vontade

Como chefe do Conselho de Darjeeling da Grande Fraternidade Branca, Morya preside os encontros e mesas-redondas no seu Retiro da Vontade de Deus, em Darjeeling, onde estadistas do mundo inteiro e homens e mulheres integros na vontade de Deus se reúnem para estudar sob a direção desse mestre vivente.

El Morya possui um segundo retiro em El Capitan, no Vale Yosemite, Califórnia.

A nota-chave de El Morya que captura as frequências de sua presenca eletrônica foi estabelecida em parte por Sir Edward Elgar em sua “Pompa e Circunstância”. As suas flores são a rosa azul e o miosótis, e a sua fragrância é o sândalo.

Ver também

Chohans

Ashram de El Morya

Para mais informações

Elizabeth Clare Prophet, O Discípulo e a Senda.

Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Senhores dos Sete Raios (SLB Editora).

Fontes

Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Os Mestres e os seus retiros.

Elizabeth Clare Prophet, O Discípulo e a Senda.

Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Saint Germain On Alchemy (A Alquimia de Saint Germain).

Mark L. Prophet, 6 de agosto de 1972.

  1. El Morya, 3 de julho de 1965.
  2. El Morya, “Despertar a América para um Propósito Vital”, 16 de abril de 1976, em Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Senhores dos Sete Raios (SLB Editora), livro 2, capítulo 2.
  3. El Morya, Clean House! (Limpai a Casa!), Pérolas de Sabedoria, vol. 38, n° 26, 18 de junho de 1995.