Adolf Hitler

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Adolf Hitler and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎español • ‎português
caption
Adolf Hitler

Adolf Hitler, foi presidente do Partido Nazista, 1921; chanceler do Reich, 1933; ditador e Führer, 1934. A “nova ordem” de Hitler incluía 1) inculcação da visão de que os alemães eram a raça ariana superior; e 2) preservação da pureza racial pelo extermínio de judeus e outros povos “inferiores”.

Fundo oculto

Algumas pessoas que estudaram o passado do Führer e as raízes de seu Terceiro Reich afirmam que figuras-chave do Partido Nazista realmente praticavam magia negra. O próprio Hitler relata que os anos de sua juventude, de 1909 a 1913, foram os anos mais importantes e formativos de sua vida, durante os quais aprendeu tudo o que precisava saber para assumir o papel de liderança no partido nazista. Durante esse período, ele experimentou drogas e fez um estudo aprofundado do ocultismo medieval e da magia ritual. [1]

Dizem que os principais membros do Partido Nazista faziam parte de uma sociedade oculta conhecida como Grupo Thule. De acordo com Trevor Ravenscroft, o círculo interno dentro de Thule eram os satanistas que praticavam magia negra. "Thule" era o nome do centro de uma civilização desaparecida como a Atlântida. Os iniciados do Grupo Thule acreditavam que os Grandes do Mundo Antigo colocariam à sua disposição um reservatório de forças que poderiam ser utilizadas para permitir que a Alemanha dominasse o mundo e se tornasse o berço de uma próxima raça de super-homens. Os exércitos alemães se propunham a aniquilar tudo o que estava no caminho de seu destino “espiritual”. Tal era o mito sobre o qual a doutrina ariana foi fundada.

Heinrich Himmler organizou a SS (escalão de segurança) impiedosamente eficiente de Hitler não apenas como uma força policial secreta, mas como uma ordem religiosa. Oficiais de alto escalão da SS estavam encarregados de uma Ordem Negra não oficial. Sua doutrina era baseada na crença em uma força que superava os poderes humanos comuns. Alguns dizem que o ritual de iniciação dos cadetes da SS, a “cerimônia do ar sufocante”, incluía a missa negra satânica; outros a interpretam como o momento em que os participantes foram vencidos pelo estupor completo.

A Gestapo de Himmler foi fundamental na liquidação de Hitler de 30 milhões de “subumanos” - a destruição total dos judeus europeus, da intelligentsia polonesa e de uma grande fatia da raça eslava. Embora a SS fosse uma poderosa máquina política, o significado da Ordem Negra era puramente “mágico”. A matéria deve ser transformada para liberar a energia psíquica capaz de atrair seres desconhecidos superiores. Assim, os campos de concentração eram uma forma de “mágica”. Os fornos a gás eram meramente rituais.

O ex-líder nazista Hermann Rauschning, que desertou para os Aliados em 1940, disse sobre Hitler: “Não se pode deixar de pensar nele como um médium. ... Hitler era possuído por forças externas a ele - forças quase demoníacas das quais o indivíduo chamado Hitler era apenas o veículo temporário.”

caption
A lança de Longinus

A lança de Longinus

Artígo principal: Lança de Longinus

Além disso, outros teorizaram que o poder talismânico por trás da lança de Longinus (a lança sagrada que perfurou o lado de Jesus) era a inspiração da vida de Hitler e a chave para sua ascensão ao poder. Hitler viu pela primeira vez a relíquia tradicionalmente considerada a famosa lança ao visitar a Casa do Tesouro dos Habsburgo quando jovem. Ele conta que ouviu do guia de turismo “as palavras que mudariam toda a minha vida: ‘Existe uma lenda associada a esta lança: quem quer que a reivindique, e desvende seus segredos, mantenha o destino do mundo em suas mãos para o bem ou para o mal.’... Eu soube imediatamente que esse era um momento importante na minha vida.”[2]

Quase trinta anos depois, em 1938, Hitler invadiu e anexou a Áustria, tomou posse da relíquia e a transferiu da Casa do Tesouro, em Viena, para Nuremberg.  

Forças das trevas apoiando Hitler

A teoria de que o próprio Hitler ou aqueles que usaram o Führer como ferramenta estavam envolvidos em magia negra pode explicar, em parte, por que milhões de alemães foram apanhados na causa nazista. Além das teorias acima, é a tese do mensageiro de que entidades das trevas atuando no plano astral de existência - uma falsa hierarquia organizando forças malévolas da anti-luz contra os propósitos da Grande Fraternidade Branca - trabalhou através de Hitler e os de nível internacional que cooperaram com ele nos crimes cometidos na Segunda Guerra Mundial contra não apenas os judeus e os povos eslavos, mas também os povos germânicos.

Os anos finais de Hitler

A maioria das pessoas acredita que Adolf Hitler cometeu suicídio em 30 de abril de 1945 em um abrigo subterrâneo da Chancelaria nazista em Berlim durante um dos ataques finais à cidade no final da Segunda Guerra Mundial. Mas seus restos mortais nunca foram encontrados, porque, como registram os historiadores, Hitler ordenou que seu corpo fosse queimado.

Para muitos, essa explicação é insatisfatória. Muitas perguntas permanecem sem resposta. Por um lado, por que ele se casou com sua amante de longa data, Eva Braun, apenas para cometer suicídio com ela no dia seguinte?

É sabido que a maior população alemã fora da Alemanha está concentrada na América do Sul. Segundo o autor Paul Manning, alguns membros da elite dominante da Alemanha perceberam que iriam terminar a guerra. Um dos indivíduos que estava ciente desse fato foi Martin Bormann, um conselheiro próximo de Hitler. Como medida de precaução, Bormann, juntamente com alguns banqueiros e oficiais da S.S., criou uma organização conhecida como ODESSA que transfere riqueza e líderes nazistas para fora da Alemanha. Quando a guerra terminou, a ODESSA começou a transferir os estoques de ouro alemães e ajudar os agentes de inteligência nazistas a fugir para outros países.

Alguns desses agentes chegaram aos Estados Unidos e assumiram novas identidades. Muitos foram para a América do Sul. Esses ex-agentes da S.S. colocaram em prática seu treinamento. Alguns se juntaram à Interpol. Outros fizeram grandes fortunas trocando armas porque havia um excedente de armas após a Segunda Guerra Mundial. Ironicamente, alguns desses comerciantes de guerra nazistas chegaram a vender armas para o Estado emergente de Israel. [3]

Enquanto criminosos de guerra nazistas estavam fugindo para a América do Sul (supostamente sem o conhecimento dos governos ocidentais), o ex-presidente do conselho do Banco Chase Manhattan, John J. McCloy, era um alto comissário dos EUA no governo alemão do pós-guerra e outro banqueiro, o general William Draper, fazia parte da Comissão. Draper era sócio da Dillon, Read & Co., uma empresa de investimentos de Nova York liderada por Douglas Dillon.

Dillo, Read & Co. foi uma das três principais empresas financeiras que contribuiu fortemente para a construção da Werhmacht alemã. McCloy também era afiliado à Ford Foundation, cujo fundador, Henry Ford, contribuiu financeiramente para a ascensão de Hitler ao poder.

Com o sistema político dos nazistas totalmente dependente de Hitler, sua presença na América do Sul foi crucial para levar adiante o sonho nazista de um reino milenar com seu Fuhrer no comando.

Sua morte

Foi mostrado a Mark Prophet através de sua visão interior que Hitler não foi, de fato, morto no final da Segunda Guerra Mundial, mas escapou por um submarino e foi para um lugar previamente combinado, uma cidade muito pequena no Brasil. Ele fez uma cirurgia plástica para mudar sua aparência. Mark descreveu toda a cena em grandes detalhes, as pessoas que estavam com ele e como ele era.

Hitler finalmente morreu de morte natural no final dos anos 1960. Quando ele saiu da encarnação e entrou no plano astral - aquele que havia tomado o caminho da mão esquerda, usando o poder de Deus para aprisionar e matar milhões de pessoas - ele imediatamente atacou o foco de luz que os mensageiros mantinham. Sendo altamente evoluído no caminho da mão esquerda, ele reconheceu que nenhum dos planos pelos quais ele havia vivido poderiam se concretizar se as pessoas aprendessem os ensinamentos dos mestres. Então, do plano astral, ele lançou seu ataque na tentativa de destruir esse foco e o ensinamento.

A lei cósmica diz que quando você é atacado por um caído ou por um mago negro, você pode invocar a Presença de Deus e seus emissários para atar e remover este ser. Então os mensageiros se levantaram e fizeram este chamado. Eles viram ele ser amarrado e levado ao Tribunal do Fogo Sagrado para julgamento.

Para ele, este foi o Julgamento Final. Ele teve que prestar contas de tudo o que havia feito em todas as encarnações - não apenas na vida final marcada pelo Holocausto, mas também em muitas encarnações anteriores de infâmia e manipulação das pessoas. Foi lido seu registro no Livro da Vida. Ele não estava mais disposto a se render, a confessar o Cristo e a dobrar o joelho do que havia estado dez mil anos antes.  

O cancelamento da alma de Adolf Hitler na segunda morte foi a suprema misericórdia de Deus para Deus. Hitler usou a energia de Deus para matar Deus encarnado. Ele aprisionara a energia de Deus em um horrendo momentum de ódio. Deus diz: “Nao permanecerá para sempre o meu espírito como o homem.”[4] Deus não permitirá para sempre que Sua energia seja aprisionada pelo nosso ódio, ciúme, ignorância, nossa ignorância, escuridão, nossa morte, nossas rivalidades. A certa altura, chega o momento em que a tigela é quebrada e essa energia deve retornar à Fonte.

Ver também

Super raça

Lança de Longinus

Fontes

Pérolas de Sabedoria, vol. 24, n° 12, 22 de março de 1981.

Template:MHG-pt, pp. 315–16.

Elizabeth Clare Prophet, “A Revolução Iminente da Consciência Superior,” 21 de abril de 1978.

Elizabeth Clare Prophet, 30 de junho de 1983.

Elizabeth Clare Prophet, 11 de junho de 1985.

Louis Pauwels e Jacques Bergier, The Morning of the Magicians, trad. Rollo Myers (New York: Avon Books, 1969).

Trevor Ravenscroft, The Spear of Destiny (New York: G. P. Putnam’s Sons, 1973).

Jean-Michel Angebert, The Occult and the Third Reich: The Mystical Origins of Nazism and the Search for the Holy Grail, trad. Lewis A. M. Sumberg (New York: Macmillan Publishing Co., 1974; McGraw-Hill Paperbacks, 1975).

  1. Ravenscroft, Spear of Destiny, p. xxi.
  2. Ravenscroft, Spear of Destiny, p. 7, 8.
  3. Veja Paul Manning, Martin Bormann: Nazi in Exile (Nova York: Lyle Stuart, 1981).
  4. Gn 6:3.