Clara Louise

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Clara Louise and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎español • ‎português
Clara Louise Kieninger (1943)

A Mestra Ascensa Clara Louise esteve encarnada como Clara Louise Kieninger. Fez a ascensão aos 87 anos, em Berkeley, Califórnia (EUA ), em 25 de outubro de 1970, e reuniu-se à sua chama gêmea, Amen Bey, para servir junto com Serápis Bey no Templo da Ascensão, no Egito. Podemos pedir para ir a esse retiro receber instruções para a nossa senda e para tudo que precisamos realizar na vida.

Clara Louise Kieninger quando jovem

Encarnações anteriores

Clara Louise serve no quarto raio da pureza de Deus e a sua nota chave é a música “Calm As the Night”. A devoção da sua alma a Deus refletiu-se também nas encarnações anteriores. Na época da Lemúria, serviu no templo central como sacerdotisa no altar da Mãe Divina e, no tempo de Jesus, esteve encarnada como o apóstolo Tiago. Em sua última vida costumava repetir com frequência as palavras de Jesus: “Que te importa a ti? Segue-me tu!”[1]

Sua vida

Clara Louise Kieninger nasceu a 16 de setembro de 1883, em Junction City, Kansas (EUA) e teve uma infância feliz em uma grande família de pioneiros. Iniciou a sua carreira como secretária e mulher de negócios e, mais tarde, convenceu a mãe a deixá-la seguir a profissão do seu coração: a enfermagem.

Em 1912, graduou-se na escola de enfermagem do Hospital Luterano, em St. Louis, Missouri. Naquela ocasião, adotou o lema da sua classe: “Ich Dien” (Eu Sirvo), como o princípio norteador da sua vida. Clara Louise assumiu rapidamente posições de responsabilidade, tornando-e diretora assistente e, mais tarde, diretora da escola de enfermagem. Em 1917, foi enviada à França como enfermeira chefe e serviu ali até ao final da Primeira Guerra Mundial.

Trabalhou devotadamente durante muitos anos e criou a primeira escola de enfermagem do Brasil, como preparação para o seu trabalho com as crianças da futura sétima raça-raiz, destinada a encarnar na América do Sul. Por meio dessa profissão, serviu ao corpo de Deus na Terra com a mesma honradez e amor que dispensaria ao Cristo.

Ela era uma mulher doce e graciosa. Ela fazia com que todos em sua presenca se sentissem à vontade, dignos e respeitados.

As suas memórias foram publicadas no livro Ich Dien.

Baía da Guanabara, Rio de Janeiro, 1943

Sua vigília para a juventude

Clara Louise tinha um coração grande e amoroso. Era também uma disciplinadora. Nos últimos anos de vida, como estudante dedicada e amiga dos mestres ascensos, manteve uma vigília diária de orações que se iniciava às 3 ou 4 horas da manhã e continuava por duas ou quatro horas, às vezes até ao meio-dia. Orava pela juventude do mundo, pelas crianças que iriam nascer, pelos seus pais e professores.

A Mestra Ascensa Teresa de Lisieux falou sobre Clara Louise e as suas preces pela juventude:

Valorizai o período da infância e preservai essa inocência durante todos os anos da vossa vida. Pois aquela cuja ascensão celebrais neste dia, a amada Clara Louise, manteve a inocência e a pureza juntamente com uma disciplina madura e sagaz e uma pronta percepção das tramas e manobras dos anjos caídos para tentarem arrancar-lhe o véu nupcial na hora da sua ascensão.

E, sim! Ela manteve uma vigília em Berkeley, na Califórnia, pelas crianças e pela juventude do mundo e eu permaneci em vigília junto com ela. Muitos de vós fostes patrocinados pela nossa chama.

Vimos com a aura repleta de rosas – a minha cor-de-rosa, tornando-se o raio rubi do sangue de Cristo; a dela, o branco do seu amado Amen Bey, bem como de Nossa Senhora e de Serápis, Senhor da Vida. Nós duas, como mães protegendo a Chama no vosso interior, oferecemos o corpo e o sangue de Cristo como o branco e o rosa, para que também possais ver que existe um buquê de noiva esperando por vós, se aceitardes a iniciação da cruz do raio rubi, dos anjos do fogo branco.

Assim, entrai na alegria do círculo abençoado do Pai e da Mãe e reconsagrai a vossa vida como ‘Santidade ao Senhor[2]– sacerdotes e sacerdotisas do fogo sagrado – traçando o círculo do Um.[3]

A partir do estado ascenso, Clara Louise disse-nos:

Vejo muitos entre vós por quem orei na minha encarnação final e gostaria de dizer que está claramente expresso nos registros que as minhas preces fizeram diferença na vossa entrada na Senda. Sou grata por isso, mas menciono esse fato para que possais compreender que, se eu, que estive convosco tão recentemente, fui capaz de desenvolver aquele momentum de oração, vós também podeis fazer o mesmo. Requer apenas dedicação de tempo e de espaço e determinação para silenciar qualquer outra voz que esteja em busca de atenção, cada ponto de caos, confusão ou interferência[4]

Clara Louise na Escola de Enfermeiras D. Anna Nery, Rio de Janeiro

Mestria na Palavra falada

Clara Louise praticou a ciência da Palavra falada por cerca de 50 anos e os seus chamados e invocações eram muito poderosos. Ela simplesmente não aceitava “não” como resposta, qualidade que aprendeu durante a sua encarnação como discípulo de Jesus. E, como ele expulsava demônios pelo poder da Palavra falada, ela também sabia que é preciso ser firme com eles e com o estado de consciência humana. Os seus fiats atravessavam o planeta quando fazia orações e invocações em defesa das crianças.

O mundo também precisa da nossa intercessão e das nossas orações pelas crianças e pelos jovens. Podemos fazer chamados cheios de fogo a Deus, como Clara Louise fez. Com o fogo ardente de Serápis Bey e Amen Bey, invoquemos o manto de fogo, ou capa de luz de Clara Louise. Ela carrega a chama do fogo branco e pode ajudar-nos a acelerar essa chama, a elevar a kundalini, a chama da ascensão e a força vital interior, para que também nós possamos proferir o comando que ata os maus espíritos.

Quando falamos com a autoridade do Cristo, o espírito maligno não pode desobedecer-nos, por que Deus reforça o nosso chamado. Isso acontece porque possuímos um magneto de fogo suficientemente intenso para atrair o magneto da Presença do EU SOU. No entanto, devemos pedir sempre que as nossas orações sejam ajustadas de acordo com a vontade de Deus.

Mãe da Chama

Em 1961, Saint Germain ungiu Clara Louise como primeira Mãe da Chama da Fraternidade dos Guardiães da Chama. Em 9 de abril de 1966, quando o manto do cargo de Mãe da Chama foi transferido para a Mensageira Elizabeth Clare Prophet, Clara Louise tornou-se Mãe Regente da Chama. Continua a ocupar esse cargo no nível ascenso, nutrindo as almas das crianças do mundo.

Em seu uniforme

Sua ascensão

Em 3 de julho de 1962, Nossa Senhora prometeu a Clara Louise que ela faria a ascensão no final daquela encarnação. Astrea e Pureza falaram sobre a sua ascensão e o serviço que prestou:

Se fordes resolutos, se tiverdes a chama trina equilibrada, vereis que na hora da transição, podeis ascender, assim como ocorreu com a primeira Mãe da Chama, Clara Louise Kieninger. Ela fez a ascensão no local em que faleceu, em Berkeley, na Califórnia, e escolheu-o, amados, para que ali pudesse ser ancorado um foco da chama da ascensão para a juventude do mundo.

Amados, existem pessoas como a primeira Mãe da Chama que, na hora da sua transição e do último sopro sagrado, entram nas espirais da ascensão, como é conhecido. Ela apareceu no templo de Serápis Bey e ali encontrou a sua chama gêmea, Amen Bey. Desde então, tem estado a serviço da juventude – não somente em Luxor, como também viajando de retiro em retiro ao redor do mundo. Nunca ouvistes falar sobre muitos desses retiros, mas os conhecereis no momento oportuno.

Clara Louise Kieninger dirige-se aos retiros para ensinar os que ali se encontram e têm lições a aprender e carma a equilibrar. Ela também conversa com a hierarquia do retiro, implorando para enviarem reforços para cuidar da juventude, especialmente das crianças que não nasceram e da terrível situação do sacrifício das crianças no ventre. Amados, essa é a causa que ela abraçou durante os muitos anos em que esteve encarnada e continua a abraçar nas oitavas de luz”..[5]

Seu serviço hoje

Desde a sua ascensão, transmitiu sete ditados por intermédio de Elizabeth Clare Prophet. No discurso anual de Ano Novo, de Gautama Buda em 1° de janeiro de 1973, Clara Louise esteve presente, em níveis internos, durante todo o serviço. Gautama falou sobre a aparência juvenil que Clara Louise recuperou no estado ascenso e anunciou que ela presentearia a Mãe da Chama com uma tocha de iluminação para esta era:

Muitos de vós recordais-vos daquela que fez a transição algum tempo atrás, a primeira Mãe da Chama que, mais tarde, se tornou a Mãe Regente. Quero que saibais que esta noite, em níveis internos, ela está convosco. Gostaria que soubésseis que o seu corpo não está mais envelhecido nem curvado; a sua forma já não reflete a idade, mas apenas a beleza da juventude e da maturidade anteriores. Em suas faces há um brilho de esperança, de doçura e amor.

Gostaria que soubésseis que ela continuará convosco até ao final deste serviço. Até sairdes e cruzardes estas portas, ela permanecerá convosco esta noite, dando-vos, em níveis internos, o seu amor, conselhos e bênçãos como a primeira Mãe da Chama. À medida que a noite avançar, ela dará à atual Mãe da Chama uma tocha carregada com os fogos vitais do altar celestial de Deus e comunicar-lhe-á uma ampla missão para iluminar as crianças e produzir a benção da verdadeira cultura para esta era, para todas as pessoas, em todos os lugares.[6]

A mensageira explicou o significado da transmissão da tocha e a sua importância para cada um de nós:

As tochas sempre precisam ser passadas adiante. Um dia, vocês também as passarão. O mais importante é lembrar que ela é uma chama que arde, composta de milhões e milhões de chamas. Cada uma delas é uma pétala – uma pétala de luz e de fogo sagrado.

Conforme vocês se dirigem para o Sol Central da sua poderosa Presença do EU SOU e criam e formam a sua tocha da vida, querem ter certeza, como os que precederam vocês tiveram, que essa tocha conterá tudo o que for necessário para aqueles que seguem vocês na Senda percorrerem o caminho para o Lar.

Já mencionei que o nosso amado Mark colocou a seguinte dedicatória no meu exemplar de A Senda do Crescimento Pessoal: ‘Que a tua vitória seja completa.’ Não é suficiente desejarmos a vitória de alguém. Queremos que ele vença completamente em cada passo do caminho – não somente hoje, como até à hora da ascensão.

A Torre Sather, no campus da Universidade da Califórnia, Berkeley

Todo guru se preocupa com o seu abençoado chela – que complete seu caminho para o Lar, pois de contrário, a sua Senda será em vão. Porisso, vocês precisam se preocupar com o chela que ainda não conhecem, com o mestre no qual se tornarão – e que, mesmo agora, já estão forjando a tocha que um dia passarão adiante. Pois, quando chegar o momento de fazê-lo, não haverá tempo de dizer: ‘Espere um minuto, preciso criar uma tocha.’ A tocha terá de estar pronta e ardendo.

A tocha de Gautama Buda, de Clara Louise e do nosso amado Lanello estavam ali, apenas sete semanas antes da sua ascensão. Em 1973, a Summit University começou a funcionar em tempo integral, como resultado daquela tocha. Todos que passaram pelas suas classes podem ratificar a vontade de Deus e receber uma pétala da tocha, uma pétala-chama, que se torna um núcleo da própria tocha que vocês devem passar adiante na hora designada”.[7]

Uma espiral de vitória

Ao se referir à sua ascensão, Clara Louise disse:

Existe uma espiral de vitória ancorada na atmosfera do local em que fiz a minha ascensão. Por isso vos guiarei até esse local e àquela casa: para que possais saber, quando estiverdes na região de Berkeley, da existência de um foco que abençoa, cura e é mantido em prol dos pequeninos. E pela vossa aplicação a esse foco, podeis expandir a influência do Arcanjo Gabriel e Esperança e da Deusa da Pureza[8] em todo esse estado, na América e no mundo.[9]

Ver também

Amen Bey

Para mais informações

Clara Louise Kieninger, Ich Dien, contém a história da vida de Clara Louise além de todos os ditados que ela transmitiu do estado ascenso.

Fontes

Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Os Mestres e os seus retiros, s.v. “Clara Louise.”

  1. Jo 21:22.
  2. Êx 28:36; Jr 2:3; Zc 14:20, 21.
  3. Teresa de Lisieux, A Bird that Takes Flight (Um Pássaro que Levanta Vôo), Pérolas de Sabedoria, vol. 24, n° 44, 1 de novembro de 1981.
  4. Clara Louise, The Central Temple of Ancient Lemuria (O Templo Central da Antiga Lemúria), Pérolas de Sabedoria, vol. 34, n° 30, 28 de junho de 1991
  5. Astrea e Pureza, The Word Must Be Spoken: Make the Call (A Palavra Tem de Ser Proferida: Fazei o Chamado!), Pérolas de Sabedoria, vol. 45, n° 43, 27 de outubro de 2002.
  6. Gautama Buda, The Torch Is Passed! (A Tocha foi Passada!), Pérolas de Sabedoria, vol. 26, n° 22, 29 de maio de 1983.
  7. Elizabeth Clare Prophet, 25 de outubro de 1981.
  8. O retiro etérico do Arcanjo Gabriel e de Esperança está localizado entre Sacramento e o Monte Shasta, na Califórnia. A Deusa da Pureza mantém um retiro sobre São Francisco.
  9. Clara Louise Kieninger, Ich Dien (1975), p. 176.