Corpo Etérico

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Etheric body and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎español • ‎português

Um dos quatro corpos inferiores do homem, correspondendo ao elemento fogo e ao primeiro quadrante da Matéria; chamado de invólucro da alma, mantém a matriz do plano divino e a imagem de perfeição de Cristo a ser manifestada no mundo da forma. Também chamado de corpo da memória.

O corpo etérico é o corpo de vibração mais elevada dos quatro corpos inferiores. Ele contém os registros da preexistência de sua alma no céu no alto (armazenados em seu corpo causal e mente de Cristo) e das experiências de sua alma em encarnação física aqui embaixo (armazenadas em seu subconsciente, no invólucro astral e abaixo no cinto eletrônico).

Seja qual for o plano de suas atividades, o corpo da memória contém os Tabletes de Mem - as gravações eletrônicas e computadorizadas de todas as vibrações e impulsos de energia que você já enviou através de sua alma e dos veículos superiores e inferiores dela. Esse registro de vida está escrito em inúmeros discos de luz que compreendem o padrão de identidade em mudança e em evolução da alma que se une com o Espírito. É esse registro de vida (o campo L) que determina os padrões que serão expressos pelos três veículos inferiores - o corpo mental, o corpo de desejo e o corpo físico. (Somente a chama violeta pode alterar permanentemente o efeito ao transmutar completamente a causa.)

Sanat Kumara anunciou no dia do ano novo de 1985 que a Terra havia recebido um novo invólucro etérico contendo o registro e a matriz do plano divino original do planeta, e que a oportunidade para o mundo renovar a era de ouro nunca havia sido maior.[1]

Ver também

Quatro corpos inferiores

Fontes

Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Saint Germain On Alchemy (A Alquimia de Saint Germain).

Template:LTH-pt.

  1. Sanat Kumara, “O Ponto de Virada da Vida na Terra: Uma Dispensação do Logos Solares”, Pérolas de Sabedoria, vol. 28, n° 6.