Ave Maria

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Hail Mary and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎español • ‎português • ‎한국어
The Virgin Mary holding the globe of the earth in her hands
A Virgem do Globo
 
Parte de uma série de artigos sobre a
Ciência da
Palavra Falada



   Artigo principal   
Palavra falada



   Formas da Palavra falada   
Afirmação
Chamado
Canto
Decreto
Fiat
Invocação
Mantra
Oração



   Formas orientais   
AUM
Bhajan
Bija mantra
Mantra Dourado
Om mani padme hum



   Formas ocidentais   
Ave Maria
Rosário



   Rituais específicos   
Círculo de Luz de Mãe Maria
Décimo Quarto Rosário
Rosário do Arcanjo Miguel
Ritual da Chama da Ressurreição
Rosário de Cristal de Kuan Yin



   Assuntos relacionados   
Chama violeta
Decretos de chama violeta
Equilíbrio entre decretos de chama violeta e de chama azul
Pranayama
Exercício de respiração de Djwal Kul
 

Uma saudação que significa “Ave, Raio-Mãe”; uma afirmação de louvor à Chama da Mãe em todas as partes da vida.

Cada vez que dizemos a Ave Maria, estamos saudando o raio da Mãe no íntimo do nosso ser, à energia - a pura luz branca de Deus - que está focada no chakra da base.

Quando dizemos: "Ave, raio Mãe", essas palavras ativam esse campo de força e, aos poucos, incremento por incremento, ele se eleva, lenta e naturalmente e em consonância com as leis de Deus, sem ser forçado e sem colocar em risco a evolução da alma.

Origens da prece

A primeira parte da Ave Maria é a saudação angelical de Gabriel, “Ave, Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco.” (Lucas 1:28) A isso acrescentou-se a saudação de Isabel a Maria: "Bendita sois vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre." (Lucas 1:42)

A terceira parte da Ave Maria foi inspirada pelo Concílio de Éfeso em A . D. 470. A prece “Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte” estabeleceu a heresia nestoriana que surgiu da boca de Anastácio: “Ninguém chame Maria de mãe de Deus, pois Maria era um ser humano; e que Deus nascesse de um ser humano é impossível.”[1] Com esta afirmação adicional, o Concílio de Éfeso afirmou a maternidade de Deus para toda a cristandade.

O significado de “Mãe de Deus”

Nossa Senhora explicou o seu chamado como sendo a Mãe de Deus:

EU SOU uma mãe cósmica, e tanto vossa mãe quanto eu sou a mãe do amado Jesus. Alguns adeptos da fé cristã me chamam de Mãe de Deus. Para aqueles do ramo protestante do cristianismo ortodoxo, isso parece um sacrilégio; pois os homens podem perguntar: “Quem é digno de ser a Mãe de Deus?”

Mas este conceito, quando entendido como sendo a mãe da encarnação do Espírito Divino, revela a gloriosa verdade de que toda mãe que entende o que foi falado - “e o Verbo se fez carne e habitou entre nós”[2]-pode ser a Mãe de Deus.[3]

Ser mãe significa dar à luz, dar origem, cuidar e proteger. Portanto, ser a mãe de Deus é dar à luz, dar origem, cuidar e proteger Sua Chama na Terra. Ser mãe da Chama do Espírito no plano da Matéria é o chamado do Raio Feminino tanto no homem quanto na mulher.

Afirmar nossa vitória ao invés de nossa morte

A terceira parte da Ave Maria conseguiu afirmar a Maternidade de Deus; no entanto, também atribuiu ao homem o papel de pecador e enfatizou a morte como o fim da vida do pecador. Nossa Senhora disse que os Guardiães da Chama não deveriam afirmar sua natureza pecaminosa, mas sim sua legítima herança como filhos e filhas de Deus; nem devem pensar na hora da morte, mas antes, na hora da vitória.

A Mãe de Jesus, portanto, pediu que oremos por sua intercessão “agora e na hora de nossa "vitória" sobre o pecado, a doença e a morte”, chamando assim sua atenção para a hora da vitória sobre todas as condições de tempo e espaço o que seu bendito Filho provou em sua vida e na hora de sua ascensão vitoriosa. Ela afirmou que a "hora de nossa vitória" é a décima primeira hora, quando a maior vigilância é necessária para contra-ordenar a reação da cauda do dragão retratado por São João, o Revelador como estando irado com a Mulher e saindo para fazer guerra com o remanescente de Sua Semente.

Ela prometeu ajudar Guardiães da Chama, discípulos de Cristo e devotos da Chama Mãe a obter sua vitória e a vitória para toda a humanidade se assim orassem a ela:

Ave-Maria, cheia de graça
O Senhor é convosco,
Bendita sois vós entre as mulheres
e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus.
Santa Maria, Mãe de Deus,
rogai por nós, filhos e filhas de Deus,
Agora e na hora da nossa vitória
Sobre o pecado, a doença e a morte.

Propósito da Ave Maria

Quando dizemos: “Ave Maria!” estamos saudando a Mulher vestida de Sol, o princípio feminino da Divindade, quem certamente conhecemos e amamos sobretudo como a bela Mãe de Cristo, mas que também reside, embora passiva, no homem, na mulher e como a luz em nosso ser mais íntimo. A esfera branca da Mãe está selada no sacro, ou no chakra da basesagrado, até que a amemos o suficiente para magnetizá-la - para realmente persuadi-la a subir a escada em espiral e encontrar-se com nossas almas no fundo do nosso coração . Aqui no Santo dos Santos, recitamos a Ave-Maria com ela, entronizamo-la como nossa amada Mãe e ela nos reune com a Trindade, a chama trina da vida. Ela nos leva pela mão e nos conduz até o cume do Ser, o coroa de coroas onde Deus é Tudo-em-tudo.

Nossa Senhora nos assegurou que a senda da Kundalini ioga, de fato faz parte da tradição ocidental. E é por isso que ela apareceu a vários dos santos com o método são e salvo de elevar a luz da Mãe por meio do rosário. É por isso que os santos foram retratados com uma luz branca sobre suas cabeças - porque eles abriram seus chakras da coroa e se uniram diretamente com a Presença do EU SOU. Eles se uniram a bem-aventurança de Deus.

Ver também

Rosário

Para mais informações

Template:MMN-pt

Fontes

Template:IP-pt, capítulos 50 e 55.

Template:MMN-pt, prefácio.

Template:MMN-pt, 2ª parte, “Formas de orações cristãs e a evolução do Rosário.”

  1. "Encyclopaedia Britannica", 1949, s.v. “Nestório.”
  2. João 1:14.
  3. Maria, “Uma Carta de Nossa Senhora”, "Lição 16 dos Guardiães da Chama", p. 9.