Hermes Trismegisto

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Hermes Trismegistus and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎español • ‎português
Estátua de Hermes de Ernst Herter, encomendada por Elizabeth da Áustria

Na antiguidade, Hermes era conhecido como o grande sábio, a quem foram atribuídos textos sagrados e trabalhos alquímicos e astrológicos. Devido ao seu conhecimento e profundo talento nas artes e nas ciências, os egípcios deram-lhe o nome de Trismegisto, que significa “três vezes grande”. O título também se aplica ao seu papel como filósofo, sacerdote e rei.

O Mestre Ascenso Hermes Trismegisto também é conhecido como Deus Mercúrio. Hermes andou pela Terra por dezenas de milhares de anos. Esteve na Atlântida, caminhou nas suas ruas, frequentou templos e salas de estudo, e transmitiu os seus ensinamentos. Hermes figura como o grande arquétipo do mensageiro dos deuses.

No livro History of Chemistry, James Campbell Brown escreveu:

Uma série de antigos livros egípcios é atribuída a Hermes Trismegisto, que pode ter sido um sábio autêntico ou, talvez, a personificação de uma longa sucessão de escritores. Alguns identificam-no com o deus grego Hermes, que corresponde ao deus romano Mercúrio, e ao deus egípcio Thoth. Os egípcios consideravam-no o deus da sabedoria, das letras e do registro do tempo.[1]

O registro histórico

Até o século dezessete, pensava-se que Hermes era contemporâneo de Moisés. Seus escritos foram considerados pelos cristãos quase tão sagrados quanto a Bíblia. O padre Justino Mártir da igreja chegou ao ponto de compará-lo a Jesus. O padre Clemente de Alexandria, da Igreja Grega, falou de quarenta e dois "Livros de Thoth" que tratavam de educação sacerdotal, ritual do templo, geografia, astrologia, orientação para reis, hinos aos deuses e medicina. Lamentavelmente, eles foram perdidos na queima da biblioteca de Alexandria.

Os estudiosos de hoje nos dizem que Hermes era um sábio egípcio antigo, ou talvez uma sucessão de sábios. Eles acreditam que toda uma linhagem de professores ou sacerdócio pode ter escrito sob o nome Hermes. A teoria predominante é que os escritos herméticos podem abranger vários séculos, datando até o primeiro ou segundo século A.D..

Segundo um historiador egípcio antigo, Hermes escreveu 36.525 livros. Seus assuntos incluíam alquimia, astrologia e teologia. Ele era considerado o guardião da sabedoria e da literatura. Para esclarecer o povo, Hermes teve suas instruções gravadas em hieróglifos sobre mesas ou colunas de pedra em todo o Egito.

Alguns colocaram Hermes no período anterior ao Dilúvio. O arqueólogo James Churchward registra Thoth nos dias da Atlântida. Os egípcios honraram Thoth como o deus da sabedoria, aprendizado e literatura. Eles o viam como o inventor de todas as artes e ciências, incluindo escrita, aritmética, álgebra, geometria, teologia, economia política, medicina, cirurgia, música e instrumentos musicais. Ele era considerado o escriba dos deuses.

O estudioso Hargrave Jennings escreveu:

Diz-se que outro Thoth, ou Hermes, viveu em um período posterior. Ele foi igualmente celebrado com o primeiro, e para ele é particularmente apropriado, por alguns, pelo nome de Trismegisto. Segundo Manetho [um sacerdote e historiador egípcio c. 300 a.C.], ele [este segundo Thoth] traduziu de tábuas de pedra gravadas, que haviam sido enterradas, os caracteres sagrados dos primeiros Hermes. Ele escreveu a explicação deles em livros, que foram depositados nos templos egípcios.[2]

Hermes Trismegistus, de Viridarium chymicum, D. Stolcius von Stolcenbeerg (1624)

O tablete esmeralda

Hermes Trismegisto ficou conhecido como o pai da alquimia. Segundo uma lenda, em uma placa de esmeralda encontrada no seu túmulo havia inscrições dos seus preceitos para fazer ouro. A placa continha o famoso axioma hermético: “O que está embaixo é igual ao que está em cima. E o que está em cima é igual ao que está embaixo”.[3]

Um autor antigo, que afirmou ter visto a placa, disse que era uma esmeralda onde os caráteres eram representados em baixo relevo e não gravados. Inicialmente, o material encontrava-se em estado fluido, como vidro derretido, mas fora lançado em um molde e adquirira a dureza de uma esmeralda genuína por meios alquímicos.

Nas escolas de mistérios, durante muito tempo, a placa de esmeralda foi considerada uma das mais antigas e profundas revelações da alquimia espiritual. Ela apresenta uma fórmula alquímica que, há milhares de anos, tem sido usada por adeptos e alquimistas para assimilar a compreensão mais essencial da transmutação física e da regeneração espiritual. Entretanto, as inscrições escondem de todos, exceto do verdadeiro alquimista, o seu significado interior.

Assim se pronuncia o Mestre Ascenso Hermes sobre a placa esmeralda do coração:

Eu, Hermes, mensageiro dos deuses, também chamado Mercúrio, aqui permaneci, por dezenas de milhares de anos, para que haja uma tocha de lembrança, uma inscrição da Lei na placa de esmeralda do vosso coração.

A placa de esmeralda na câmara secreta do coração ainda não foi revelada pelo Santo Cristo Pessoal – sacerdote, filósofo e cientista que oficia no altar da mudança inalterável. Essa é a mudança que precisa chegar, que precisa ocorrer porque EU SOU, e também vós sois, o Homem Deus.

Ele instrui-nos dizendo:

Não negligencieis o coração e invocai o fogo sagrado para que diariamente derreta e transmute toda a dureza de coração, descuido espiritual e registros de morte que circundem o centro solar do chakra do coração. Sejamos diligentes na expansão do coração, pois dele procedem as fontes da vida.[4]

A tradição hermética

A tradição hermética ensina que é através da experiência mística que o homem atinge a libertação. O estudioso Sidney Spencer escreve:

O místico hermético vê sua unidade com todos os seres. A purgação e a iluminação da alma que ele alcança lhe traz a consciência da comunhão universal, e é sua tarefa fazer o bem a todos.[5]

No livro Cartas do Mahatma o Mestre K.H. louva a filosofia hermética:

A filosofia hermética se adequa a todos os credos e filosofias e não se opõe à nenhuma. É o oceano sem limites da Verdade, o ponto central para onde flui e onde se encontram todos os rios, seja sua fonte no leste, oeste, norte ou sul. Como o curso do rio depende da natureza de sua bacia, o canal para a comunicação do conhecimento deve se conformar às circunstâncias circundantes. O Hierofante Egípcio, o Mago dos Caldeus, o Arhat e o Rishi, estavam presos em dias anteriores na mesma viagem de descoberta e, finalmente, chegaram ao mesmo objetivo, embora por diferentes caminhos.[6]

Segundo o estudioso Walter Scott, alguns dos textos herméticos podem ter sido escritos pelos alunos de Ammonius Saccas, um renomado professor alexandrino do século III e um dos fundadores do movimento neoplatônico. Ele foi professor de Orígenes. Helena Blavatsky considerou que o objetivo mais importante da Sociedade Teosófica era reviver o trabalho de Ammonius Saccas. Blavatsky escreveu:

Foi Amônio quem primeiro ensinou que toda religião se baseava em uma mesma e mesma verdade; qual é a sabedoria encontrada nos Livros de Thoth (Hermes Trismegistus), dos quais os livros Pitágoras e Platão haviam aprendido toda a sua filosofia.<ref.>H. P. Blavatsky, "Isis Unveiled" (Wheaton, III: Theosophical Publishing House, 1972), vol. 1, p. 444.</ref>

Hoje, restam menos de vinte sermões e alguns fragmentos adicionais dos ensinamentos de Hermes. Em 1945, três setores herméticos foram descobertos em Nag Hammadi, indicando uma ligação entre as escolas gnóstica e hermética. Os gnósticos, que floresceram no segundo século A.D., acreditavam que o elemento mais importante na busca espiritual da alma era gnose - uma palavra grega que significa "conhecimento." Vemos esse mesmo princípio refletido nos ensinamentos herméticos. O estudioso Giovanni Filoramo diz:

Os textos de Hermes foram escritos na forma de diálogos acadêmicos suaves, nos quais Hermes ensina um grupo fechado de discípulos. Eles estão imbuídos de um desejo irreprimível pelo conhecimento de Deus. A estrutura ideológica deles é uma atitude de devoção genuína e profunda como o caminho para o conhecimento de si mesmo e de Deus.[7]

A linhagem do planeta Mercúrio

O Mestre Ascenso Hermes patrocina El Morya e todos que vieram do planeta Mercúrio. El Morya explica:

As ondas de vida dos filhos de Deus que evoluíram em Mercúrio, serviram com Sanat Kumara e agora vivem na Terra, vêm de uma evolução que conhecemos há muito tempo. Naquele corpo planetário, havia questões que envolviam a luz e as trevas.

Conforme vimos os desafios e fomos instruídos pelo Deus Mercúrio, aprendemos que a devoção inabalável à vontade de Deus, atrair a energia para o ponto diamantino do Ser, empunhar a espada de chama azul e mestria na ação das chaves foháticas, resultariam na vitória.

Enquanto travávamos as batalhas dos mundos, em Mercúrio, Deus concedeu-nos essa energia e esse poder – simplesmente porque estávamos dispostos a equilibrar a chama trina, a buscar a sabedoria e a sua força, a intensificar esse amor em todas as células e na chama de cada célula, para que as nossas auras ficassem tão saturadas de amor que, de maneira alguma qualificaríamos mal com alguma forma de tirania, um erg sequer do poder de Deus.

Amados, a vitória de Mercúrio ainda não está completa. A maior parte da vitória foi ganha, mas alguns filhos da luz e alguns caídos ainda não tinham atingido o auge da sua evolução e, por isso, foram enviados para outros lares e sistemas planetários. Alguns caídos aliaram-se às evoluções retardatárias que, no final, encarnaram na Terra. Alguns filhos e filhas de Deus foram para Vênus e, mais tarde, vieram para a Terra, com Sanat Kumara.[8]

Mercúrio Voador (Mercure volant), Giambologna (final do século dezesseis)

As artes da comunicação

Hermes convoca os que desejam dedicar-se às artes da comunicação em defesa da Verdade:

Eu sou um mensageiro dos Deuses e tenho uma mensagem que preciso entregar aos vossos corações.

Falo da linhagem dos iniciados de Mercúrio, dos que moldaram a própria habilidade com a espada e a pena, que estão familiarizados com a mente de Deus e a reivindicaram, e são de uma linhagem que me antecede. Na verdade, existe uma linhagem de seres chamados Hermes, que é o título de um cargo. Portanto, há uma descida desses seres, cujo trabalho é estabelecer, por meio da escrita ou de outras formas de comunicação, o que é Real, o que é irreal e as informações necessárias para que o corpo político do mundo conheça e compreenda o caminho que deve ser seguido.

Há aqueles que foram treinados por mim, sob o meu manto como Deus Mercúrio. Nós, que empunhamos o escudo e a armadura do Sol, precisamos percorrer as nações da Terra, de norte a sul, e pedir ajuda aos que têm a habilidade original da comunicação, aos que a praticaram em tempos antigos e em continentes ancestrais, e que estão dispostos a assumir, uma vez mais, a dianteira da disseminação da Verdade e da exposição do erro. Precisais avançar, pois a Verdade precisa ser conhecida!

Levai a mensagem! Estabelecei a plataforma para divulgá-la na vossa área de especialização! E, se considerais que não tendes nenhuma, buscai-a, estudai e provai que fareis a demonstração e tereis fama, não apenas para vós mesmos, mas para Deus e para todos os que estão a ascender. EU SOU Hermes e digo-vos que protegerei todos que aprenderem essas disciplinas.[9]

Seu serviço hoje

Atualmente, Hermes serve no retiro na Arábia, onde é patrono da ciência da alquimia, que Saint Germain definiu como “o conjunto da química de Deus”. A sua aura é de um dourado brilhante. Ele usa um manto branco e tem cabelos longos. É a imagem da antiga sabedoria e da natureza andrógina de Deus.

Ver também

Thoth

Mercúrio (o planeta)

Para mais informações

O álbum de áudio MP3 Emerald Matrix: The Perfect Light inclui uma palestra sobre Hermes e um ditado dele.

Fontes

Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Os Mestres e os seus retiros, s.v. “Hermes Trismegistus (Deus Mercúrio).”

  1. James Campbell Brown, A History of Chemistry from the Earliest Times till the Present Day (London: J.& A. Churchill, 1913).
  2. Hargrave Jennings, "The Divine Pymander of Hermes Mercurius Trismegistus" (San Diego, Califórnia: Wizards Bookshelf, 1985), pp. iii , iv, v.
  3. Hargrave Jennings, The Divine Pymander of Hermes Mercurius Trismegistus San Diego, Califórnia. Wizards Bookshelf, 1985, p. x.
  4. Hermes Mercurios Trismegistus, The Emerald Tablet of the Heart (A Placa Esmeralda do Coração), Pérolas de Sabedoria, vol. 24, n° 73, agosto de 1981.
  5. Sidney Spencer, "Mysticism in Religion" (Londres: Allen & Unwin, 1966), p. 147.
  6. The Mahatma Letters to A. P. Sinnett, compilado por A.T. Barker (Theosophical University Press, 1926), letra 85.
  7. Giovanni Filoramo, História do Gnosticismo.
  8. El Morya, “The Gemini Mind: For the Governing of Society and the Self” (A Mente Geminiana para o Governo da Sociedade e do Ser), Pérolas de Sabedoria, vol. 24, n° 43, 25 de outubro de 1981.
  9. Hermes Trismegistus, The Guild of God Mercury: The Sword and the Pen (A Associação do Deus Mercúrio: a Espada e a Pena), Pérolas de Sabedoria, vol. 36, n° 42, 22 de setembro de 1993.