Hilarion

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Hilarion and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎español • ‎português
caption
Estátua de São Paulo, Basílica de São Paulo Fora dos Muros, Roma

Hilarion é o chohan do quinto raio da cura e da verdade. É o hierarca do Templo da Verdade, situado no plano etérico, próximo a Creta, na Grécia.

Encarnações

Sumo sacerdote no Templo da Verdade

Hilarion foi um sumo sacerdote do Templo da Verdade, na Atlântida, que transportou a chama e os objetos do Templo para a Grécia, pouco antes do afundamento do continente. O foco da Verdade que ele estabeleceu tornou-se o ponto focal dos oráculos de Delfos – mensageiros da Verdade que, por centenas de anos, serviram sob a direção de Palas Atena, até que magos negros entraram na Ordem Délfica e perverteram a Verdade que ali fora implantada. Por esse motivo, a Fraternidade deixou de servir a humanidade encarnada, pois as pessoas não conseguiam distinguir a Verdade do erro.

São Paulo

caption
São Paulo Pregando em Atenas, de Raphael (1515)

Artígo principal: São Paulo

Mais tarde, Hilarion encarnou como Saulo de Tarso, que se tornou o apóstolo Paulo. Hilarion recorda o encontro que teve com o Cristo, naquela encarnação:

Nós o chamávamos de Jesus, o Cristo, e éramos chamados por ele, assim como também vós sois chamados neste dia. Lembro as memórias de quando veio até mim, enchendo-me de poder com a sua Palavra. Mas, primeiro, humilhou-me na estrada para Damasco, humilhação de que eu tanto necessitava para poder render-me à minha chama Crística, à chama que ele me revelou, como também me deu a chave para meditar nessa chama e, assim, seguir as suas pegadas no Quinto Raio da ciência, da cura, do apostolado e da pregação da Palavra.

Geralmente, sentia-me como se fosse as mãos, os pés e o coração de Hércules, lutando contra as espirais negativas e descendentes da Terra, com o seu ateísmo, agnosticismo, orgulho espiritual e rancor contra os profetas e o Santo de Deus, que tinha estado tão recentemente entre nós. No entanto, lembro-me de que fui um deles. Por ter sido tão orgulhoso e tão deliberadamente contrário à vontade de Deus, sempre estará acesa na minha memória a impotência que todos temos como instrumentos de Deus. O grande poder que a Palavra confere manifesta-se, meus amados, na hora da conversão. Não na hora do chamado, mas na hora da conversão, quando a alma responde com algo de muito profundo. É o fluxo, a doação, a renúncia quando, como Ele disse, “dura coisa é recalcitrardes contra os aguilhões”.

A minha alma conhecia-o há muito tempo e trouxe à minha mente exterior a memória do voto interior. Não era a primeira vez que eu via o Senhor Cristo. Eu vira-o antes de encarnar e, ainda assim, tive de lidar com o orgulho, esse carma do Quinto Raio, de aprender muito, estudar muito e de sentir-me social e intelectualmente superior aos primeiros cristãos. Foi o meu próprio carma que desceu sobre mim e me fez resistir ao chamado.[1]

Quando viajei pela estrada para Damasco, o meu Senhor seguiu-me. Sim, amados, eu estava cego, não pela luz dele, mas pelo meu pecado e pela alquimia da sua luz que penetrava os registros de pecado no meu ser. E, convertido pelo Espírito do Senhor, na plena manifestação de Jesus Cristo sobre mim, refiz o meu rumo.[2]

Depois de se converter ao Cristo, Paulo manteve-se isolado, num deserto árabe, por um certo tempo. Em Gálatas 1:16-18, há um registro seu que diz: “não consultei carne nem sangue, nem subi a Jerusalém para estar com os que já antes de mim eram apóstolos, mas parti para a Arábia, e voltei outra vez a Damasco. Depois, passados três anos, subi a Jerusalém”.

Analistas sempre especularam sobre as atividades de Paulo, durante a sua estada no deserto. Hilarion explicou que Jesus o levou, “junto com outros indivíduos, para o seu retiro sobre a Terra Santa e a Arábia. Ali fiquei e fui ensinado por ele. Nisso se resumiu a minha meditação com Jesus, levado como fora, nos meus quatro corpos inferiores e treinado diretamente de coração para coração”.[3]

Por ter consentido no apedrejamento de Santo Estevão – o primeiro mártir cristão – perseguido e matado os cristãos de maneira ativa, Paulo não ascendeu no final daquela vida. Tirar a vida de alguém numa encarnação, requer frequentemente outra encarnação para equilibrar o carma contraído.

O Mestre Ascenso Hilarion explicou por que precisou encarnar, uma vez mais, antes de ascender:

Não vos esqueçais que nós, os apóstolos do Cristo, viemos sob a dispensação da Lei que exigia que uma pessoa equilibrasse 100% do carma, antes de a alma fazer a ascensão na luz.[4] Por isso, fui obrigado a reparar os pecados que cometi antes de receber o meu Senhor na vida como Paulo e na seguinte, como Santo Hilarião.[5]

Santo Hilarião

St. Hilarion reading a book, a crude shelter above him
Santo Hilarião

Artígo principal: Santo Hilarião

E Jesus, que promoveu Paulo para ser seu apóstolo, patrocinou a sua encarnação final, como Santo Hilarião (c. 290 a 372 d.C.), o fundador do monasticismo, na Palestina.

Hilarion passou vinte anos no deserto, preparando-se para a sua missão, e só então realizou o primeiro milagre: com Deus atuando por seu intermédio, ele curou uma mulher estéril, dando-lhe condições para que concebesse um filho. Daquele dia em diante, o santo dedicou-se ao ministério da cura.

Invocando o nome de Jesus, Hilarião curou crianças com febre e paralíticos, e expulsou muitos demônios. Multidões juntavam-se ao seu redor para serem curadas de doenças e libertadas de espíritos impuros. As pessoas seguiam-no até mesmo aos lugares mais remotos e desolados. Várias vezes ele tentou esconder-se, mas sempre era encontrado e obrigado a seguir a sua verdadeira vocação, por amor a Jesus.

Jerônimo, cuja biografia do santo nos dá o maior número de informações, registra:

A frequência com que realizava milagres na Sicília atraia multidões de doentes e religiosos. Um dos comandantes locais foi curado de um edema no mesmo dia em que se encontrou com o santo, e ofereceu-lhe uma grande quantidade de presentes. Mas Hilarião obedeceu ao Salvador, dizendo: “De graça recebestes; de graça dai”.

Houve uma ocasião em que um terremoto aterrador e o mar ameaçavam destruir a cidade. Segundo Jerônimo, o mar transbordou e “como se Deus ameaçasse enviar outro dilúvio ou tudo estivesse retornando ao caos primordial, os navios foram jogados sobre rochedos íngremes e ali ficaram”.

O povo da cidade, vendo montanhas de água aproximar-se, correu até Hilarião e “como se o conduzissem a uma batalha, levaram-no até à praia. Quando ele desenhou três cruzes na areia e impôs as mãos em direção às águas, estas ergueram-se a uma altura incrível e assim ficaram diante dele, até que, enfurecidas e como que indignadas diante da barreira criada, foram retrocedendo, pouco a pouco”.

No final da vida, o santo do povo – pois o povo o considerava propriedade sua – retirou-se para um local bastante remoto, em Chipre, convencido de que ninguém o encontraria. O local era até um pouco mal-assombrado o que o fez pensar que as pessoas teriam medo de se aproximar. Mas, um paralítico arrastou-se até lá, descobriu Hilarião, foi curado e espalhou a notícia.

O santo terminou os seus dias naquele vale, sempre recebendo as muitas pessoas que iam vê-lo. Depois da sua morte, os seus seguidores enterraram-no ali, como ele desejara. Mas, passados alguns meses, o seu discípulo mais próximo, Esíquio, desenterrou-o, em segredo, e levou o corpo para a Palestina.

O Mestre Ascenso Hilarion compartilhou conosco uma revelação que lhe foi feita, na sua última encarnação física na Terra, quando foi o grande curador e eremita que vivia nos desertos da Palestina e de Chipre. Ele disse:

EU SOU Hilarion! Caminhei por lugares desertos! Busquei refúgio no deserto da vida, mas as multidões seguiram-me. Vinham em busca da fonte curativa, vinham pelo amor. Mesmo que eu me isolasse, eles seguiam-me. E o Senhor explicou-me que o dom da Verdade e da cura existe apenas para ser compartilhado, para ser doado.[6]

Hilarion tinha um extraordinário dom de cura. Os grandes curadores da humanidade, que conseguem levar as almas ao ponto de resolução e de plenitude, com o toque das mãos ou ao simples comando: “Sê curado”, são enviados por Deus. O que identifica o verdadeiro curador é que ele caminha à sombra da poderosa Presença do EU SOU, é humilde perante Deus e o homem, e confere a Deus toda a glória do trabalho que Ele realiza por seu intermédio, sabendo que é apenas um instrumento do Espírito Santo. Esses santos de Deus são modestos e nem sempre revelam que têm o dom da cura.

A missão de Hilarião hoje

A melodia “Avante, Soldados Cristãos” pode ser executada para atrair a radiação de Hilarion. Com ela é possível sentir o mesmo fervor e dedicação que fizeram com que o apóstolo Paulo inspirasse os primeiros cristãos a estabelecer a Igreja do Cristo, na Ásia Menor e, por fim, em todo o mundo. Com as palavras a seguir, ele infunde-nos com a coragem necessária para cumprirmos a nossa missão.

Digo-vos, então, apóstolos do Deus Altíssimo, ponde-vos a caminho! É a mudança dos campos de força, a mudança das botas, que produz um tremor nos joelhos. Peço que vos mantenhais ocupados. Esquerda, direita, esquerda, direita, mais um passo, avante! Descobrireis o que Deus quer que façais. Não há porque vos sentardes e vos maravilhardes! Há trabalho – trabalho na ação do Espírito Santo. A alegria do serviço está na verdadeira fraternidade e na verdadeira comunidade.

Descobri o que Deus vos faria descobrir sobre vós mesmos, se Ele vos mergulhasse no grande fluxo cósmico, no fluxo contínuo do serviço. Descobri o que é o ensinamento, vivenciando-o. E descobri o que reservamos para vós, em Creta, que é nossa tarefa como representantes da Verdade”.[7]

Retiro

Artígo principal: Templo da Verdade

A Fraternidade da Verdade, no retiro de Hilarion, sobre Creta, utiliza a chama da cura, da ciência e da constância ali focalizada. Os seus membros trabalham com as pessoas que se desiludiram com a vida, com a religião e com os que representaram ou interpretaram erroneamente a Verdade e que, por isso, se tornaram ateus, agnósticos ou céticos.

Os Irmãos de Creta também trabalham com os médicos e os cientistas e auxiliam-nos nas suas pesquisas. Podemos invocar Hilarion pedindo a cura e a integridade para a conversão das almas e para que a verdade seja revelada pela mídia.

Ver também

Chohans

Fraternidade da Verdade

Para uma dispensação especifica de cura de Hilarion, ver raio azul-esmeralda.

Para mais informações

Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Senhores dos Sete Raios (SLB Editora)

Template:HTH-pt

Fontes

Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Os Mestres e os seus retiros, s.v. “Hilarion.”

  1. Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Senhores dos Sete Raios (SLB Editora), p. 335-36.
  2. Hilarion, The Revolution of Truth (A Revolução da Verdade), Pérolas de Sabedoria, vol. 36, n° 45, 3 de outubro de 1993.
  3. Hilarion, Preach the Gospel of Salvation in Every Nation! (Pregai o Evangelho da Salvação em Todas as Nações), Pérolas de Sabedoria, vol. 33, n° 39, 7 de outubro de 1990.
  4. Desde a concessão da nova dispensação, no início do século vinte, é possível ascender tendo equilibrado apenas 51% de carma. A porção restante é resgatada em níveis internos, após a ascensão.
  5. Hilarion, The Revolution of Truth (A Revolução da Verdade), Pérolas de Sabedoria, vol. 36, n° 45, 3 de outubro de 1993.
  6. Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Senhores dos Sete Raios (SLB Editora), p. 343.
  7. Idem, p. 346.