Lemúria

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Lemuria and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎español • ‎português
Mapa mostrando a Lemúria em sua maior extensão, do livro de W. Scott Elliot, A História da Atlântida e da Lemúria Perdida. Os mapas deste livro foram baseados em originais que o teosofista Charles W. Leadbeater havia estudado nos retiros dos mestres.  
Mapa mostrando a Lemúria num período posterior, de A História da Atlântida e da Lemúria Perdida. Segundo Scott-Elliot, uma série de cataclismos precedeu o afundamento final do continente.
Mapa mostrando a Atlântida em sua maior extensão e um continente Lemuriano menor no que é agora o Oceano Pacífico, de A História da Atlântida e da Lemúria Perdida.
Mapa da Lemúria de O Continente Perdido de Mu, de James Churchward (1927). Este mapa, baseado na leitura de textos antigos feita por Churchward, mostra o continente da Lemúria como era antes de sua destruição final.

Mu, ou Lemúria o continente perdido do Pacífico, que, segundo descobertas de James Churchward, arqueólogo e autor de O Continente Perdido de Mu, estendia-se do norte do Havaí até cerca de cinco mil quilômetros ao sul da ilha de Páscoa e das ilhas Fiji, constituído de três áreas de terra que abrangiam mais de oito mil quilômetros de leste a oeste.

A história da antiga terra-mãe de Churchuward baseia-se em registros encontrados em tábuas sagradas que ele afirma ter descoberto na Índia. Com o auxílio do sumo sacerdote de um templo hindu, ele decifrou as tábuas. Durante cinqüenta anos de pesquisa, confirmou o conteúdo em obras subseqüentes, inscrições e lendas que veio a encontrar no sudeste da Ásia, em Yucatán, na América Central, nas ilhas do Pacífico, no México, na América do Norte, no antigo Egito e em outras civilizações. Ele estima que Mu tenha sido destruída aproximadamente há doze mil anos, devido a um colapso nas câmaras de gás que sustentavam o continente.

A cultura da Mãe

O culto à Mãe, destinado a se destacar no século vinte, foi a base da civilização da Lemúria - aquele continente perdido que afundou sob o Oceano Pacífico há muitos milhares de anos atrás. A evolução da vida na Pátria Mãe e em suas colônias representou o impulso inicial do Espírito para a Matéria neste planeta. Aqui, onde as raças raiz completaram os ciclos de seu plano divino durante não uma, mas várias eras de ouro que atingiram seu ápice antes da Queda do homem, o raio masculino (as espirais descendentes do Espírito) foi realizado pelo raio feminino (as espirais ascendentes da Matéria) no mundo da forma.

No templo principal de Mu, a chama da Mãe Divina foi consagrada como a coordenada da chama do Pai Divino focalizada na Cidade Dourada do Sol. Perpetuando os antigos rituais de invocação ao Logos e entonação de sons e mantras sagrados da Palavra, sacerdotes e sacerdotisas do fogo sagrado mantinham o equilíbrio das forças cósmicas em favor das ondas da vida do planeta. Por todas as colônias distantes de Mu, réplicas do templo e seu foco da chama foram estabelecidas como santuários da consciência da Virgem, criando assim entre a Terra e o sol um arco de luz, ancorado na chama embaixo e na chama no alto, que transmitia as energias do Logos necessárias para a precipitação de forma e substância nos planos da Matéria.

Muito além de nossas próprias conquistas escassas, os grandes avanços na tecnologia feitos durante séculos de cultura contínua em Mu foram trazidos através de uma união universal com a Mãe Divina, cuja consciência abraça as leis que governam toda manifestação no plano terrestre. As realizações em todos os campos de atuação de um povo dedicado ao plano de Deus revelado através de seu Olho Onividente mostram a que altura uma civilização pode se elevar quando a chama da Mãe é honrada e adorada em todos os corações e guardada e expandida em santuários dedicados ao nome dela. Fica claro que a queda do homem foi, na realidade, o resultado dele ter se afastado do culto da Mãe e de seu mau uso das energias do átomo de semente focalizado no chakra da base, que estabelece a luz da chama da Mãe no corpo físico.

A Queda do homem na Lemúria

A queda de Mu foi, então, resultado direto da queda do homem, que atingiu seu ponto mais baixo na profanação dos santuários à Virgem Cósmica. Isso ocorreu gradualmente através do comprometimento do Princípio, da separação do Espírito Santo e da perda da visão que inevitavelmente resultou disso. Cegos pela ambição e amor próprio, sacerdotes e sacerdotisas não mais cuidavam das chamas; abandonando seus votos, abandonaram a prática daqueles rituais sagrados que permaneceram intactos por milhares de anos - assim como os santos anjos mantêm vigília perpétua sobre a chama autogerada que arde no altar do Mais Alto Deus.

A adoração à Mãe Lua, a Grande Prostituta mencionada no Livro do Apocalipse,[1] substituiu a adoração à Mãe Sol, a Mulher que João viu “vestida do sol, tendo a lua debaixo dos pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça”.[2] Um cristal negro cravado em chumbo e pedra tornou-se o foco para a perversão do raio Mãe e o símbolo da nova religião. Um a um, os círculos internos das ordens do templo foram violados pela prática diabólica da magia negra e pela adoração fálica ensinada pelos luciféricos, até que uma teologia completamente falsa apagou os padrões puros do Culto à Mãe.

A vida no continente de Mu foi ainda mais corrompida por alienígenas e anjos caídos com suas grotescas aberrações genéticas, zombando da Divindade e violando a ciência sagrada da Mãe, envolvendo os homens nas guerras dos deuses.

O afundamento da Lemúria

Pouco a pouco, os habitantes de Mu ouviram os primeiros estrondos do cataclismo. Os altares das colônias mais remotas foram os primeiros a tombar. Quando as últimas fortalezas - os doze templos que cercavam o templo principal - foram conquistadas pelos satanistas, o momentum de luz invocado pelo restante dos fiéis não foi suficiente para manter o equilíbrio para o continente.

Assim, Mu finalmente afundou pelo puro peso das trevas que seus filhos haviam invocado - e que, por suas ações serem más, eles haviam passado a amar mais do que a Luz. Ela desabou em uma massa horrenda de fogo vulcânico e lava explosiva, e os focos de chamas que sustentaram um povo poderoso e uma poderosa civilização não existiam mais. O que levou centenas de milhares de anos para ser construído foi destruído em um intervalo cósmico - as realizações de uma civilização inteira perdida no esquecimento, a evolução material e espiritual do homem arrancada de sua memória externa!

A perda da chama da Mãe

Por mais devastador que esse cataclismo tenha sido para milhões de almas, a consequência muito maior foi pela destruição do foco da chama da Mãe que ardia no altar do templo principal - um fogo vivificante, as insígnias da Divindade de cada homem manifestada embaixo como no Alto. Infelizmente, a tocha que havia sido passada foi deixada cair no chão. As estratégias dos caídos, que haviam trabalhado noite e dia com zelo fanático, conseguiram realizar seu fim: a chama da Mãe foi extinta no plano físico.

Por um tempo, parecia que as Trevas havia envolvido completamente a Luz. Observando a deserção da raça, os conselhos cósmicos votaram para dissolver o planeta cujo povo havia abandonado seu Deus; e esse teria sido o seu destino se Sanat Kumara não tivesse intercedido, oferecendo-se para se exilar de Héspero (Vênus) a fim de manter a chama em prol da humanidade e manter o equilíbrio da Luz para a Terra até o tempo em que a humanidade retornasse à religião pura e imaculada[3] de seus ancestrais.

Embora o foco físico da chama da Mãe tenha se perdido quando Mu afundou, o raio feminino foi entronizado no plano etérico pelo Deus e Deusa Meru em seu templo no Lago Titicaca.

Paraíso perdido

As almas que pereceram com a Terra Mãe reencarnaram em uma terra nua. Seu paraíso estava perdido, eles vagavam pelas areias cujos átomos estavam gravados com o decreto do SENHOR Deus “maldita é a terra por tua causa..."[4] Não tendo lembrança de seu estado anterior e sem vínculo com ele - porque não tinham mais a Chama - eles voltaram a uma existência primitiva. Por desobediência às leis de Deus, eles perderam o direito à sua mestria, seu direito ao domínio e ao seu conhecimento da Presença do EU SOU. Sua chama trina foi reduzida a um mero bruxuleio e as luzes em seus templos do corpo se apagaram.[5]

O homem, não mais encontrado à imagem do Cristo, tornou-se uma das espécies (Homo sapiens), um animal entre outros animais, cujo potencial divino foi selado por mil dias de história cósmica. Assim começou a tortuosa caminhada da evolução que levou a civilização ao seu nível atual e que se destina a culminar em uma era de ouro de mestria Crística e plena realização de Deus.  

Ver também

Era de ouro

Para mais informações

Para ensinamentos adicionais sobre a Lemúria e sua queda, ver Template:CHM-pt, pp. 60–78, 411–14.

Ver também de James Churchward, The Lost Continent of Mu (O Continente Perdido de Mu) (1931; reimpressão, Nova York: Paperback Library Edition, 1968).

H. P. Blavatsky, The Secret Doctrine, (A Doutrina Secreta) Vols. I e II, (Pasadena, CA.: Theosophical University Press, 1888, 1963), verifique o índice para referências à Lemúria.

Fontes

Pérolas de Sabedoria, vol. 31, n° 26, 12 de junho de 1988.

Template:CHM-pt, pp. 411–14.

  1. Ap 17:1.
  2. Ap 12:1.
  3. Tiago 1:27.
  4. Gn 3:17.
  5. Os focos da chama nos chakras foram retirados para o coração e os Elohim assumiram a responsabilidade pelo funcionamento natural dos chakras - a distribuição da luz para os quatro corpos inferiores.