Netuno e Luara

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Neptune and Luara and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎español • ‎português
Estátua de Netuno, Copenhagen

Neste planeta, Netuno e Luara são os hierarcas do elemento água. Supervisionando este elemento e o equilíbrio da vida aquática, juntamente com as ondinas – elementais da água que estão sob o seu comando – Netuno e Luara governam as marés e as águas profundas do mar, as precipitações que caem sobre as extensões de terra, e a purificação da água, onde quer que esta se encontre, inclusive no corpo humano.

O serviço que eles prestam

Netuno e Luara servem com as hierarquias de Câncer, Leão e Virgem, e ensinam à humanidade a mestria do corpo emocional. Também ensinam a mestria do elemento água no corpo físico e no corpo etérico, e o equilíbrio da chama trina por meio desse elemento, subordinado às hierarquias de Peixes, Câncer e Escorpião.

Netuno carrega um tridente que simboliza a chama trina e a autoridade que ele exerce sobre a ação da consciência Crística, que governa o elemento água por meio dessas três hierarquias (2, 6, 10) do sol. A influência da lua sobre o corpo astral das evoluções da Terra é uma perversão das atividades de Luara que, como representante feminina do elemento água, nos ensina a mestria do corpo emocional.

As ondinas

As ondinas vivem onde quer que haja água e, às vezes, assumem a forma de uma sereia. Elas intensificam a pureza e o fluxo da luz de Deus nas águas. Uma vez que dois terços da superfície da terra estão cobertos pela água, as ondinas estão sempre muito ocupadas. Kuthumi fala do seu serviço:

O trabalho sério que as ondinas desenvolvem nos oceanos, nos rios, lagos, regatos, ribeirões e nas gotas de chuva tem um papel na formação e na reformação do corpo do planeta e do homem, que depende totalmente dos elementais.

As ondinas, que também riem e brincam nas ondas e nas cachoeiras seguem amorosamente o exemplo dos seus hierarcas. Netuno é o rei das profundezas do mar e a sua consorte, Luara, é a mãe das marés, governa os ciclos de fertilidade e o elemento água, pois ele afeta o corpo emocional (conhecido como corpo de água, do sentimento ou dos desejos) e as expressões de alegria, de dor, culpa, raiva e amor da humanidade por meio do plano astral, influenciando fortemente o inconsciente coletivo da raça.[1]

Libertar as ondinas

É importante rezar pelas ondinas e sermos gratos pelo seu magnífico serviço, encorajando-as a continuarem a realizá-lo. Devemos invocar Saint Germain e as legiões de anjos da chama violeta para que transmutem o inconsciente coletivo da humanidade e toda treva, doença e morte que poluem o corpo emocional da humanidade e as águas do planeta Terra. Peçamos a restauração do fluxo natural do fogo do Espírito nos mares e o alívio do peso do plano astral que as ondinas carregam. Também precisamos pedir a proteção das preciosas baleias, para que continuem a transmitir a luz e os raios cósmicos para toda a vida na Terra.

Temos de rezar pedindo a transmutação da poluição das águas do planeta. A chama violeta consegue restaurar o equilíbrio do ecossistema de rios e lagos que não têm mais condições de defender a diversidade biológica, e reverter os prejuízos que a chuva ácida causa às florestas. Em especial, invoquemos a purificação da água potável, a fim de que seja mantido o equilíbrio do elemento água nos corpos da humanidade.

A significância do mar

Netuno e Luara falaram sobre o significado do mar:

O mar é o local onde a vida gera a vida. É o ventre da Virgem Cósmica e a tumba na qual os hieróglifos do inconsciente coletivo da cadeia evolucionária do planeta são continuamente registrados para transformar toda a vida. Ele é o desejo da Mãe de dar à luz as crianças de Deus, e representa os desejos mais elevados e os mais baixos da humanidade de gerar a Deus ou ao anti-Deus, a harmonia universal ou a sua antítese.

Os sete mares representam o desejo do homem de alcançar a plenitude nos sete planos do ser. Representam as sete cores, os tons e as vibrações dos sete dias da criação. Os mares contêm o Grund e o Ungrund: os elementos da vida com forma e sem ela. Os mares e os cursos de água pontilham a Terra com joias de tonalidade azul glacial, água-marinha e safira brilhante que existem atualmente nos sete planos sobrepostos que correspondem aos sete corpos do homem.

Seres elementais de luz e anjos ministrantes providenciam o foco para que haja um intercâmbio entre os “sete mares” e o fogo sagrado dos sete veículos da consciência humana. Na vossa oitava, a maioria das pessoas observa apenas o corpo físico do homem e, da mesma forma, apenas o corpo físico do mar.

João Evangelista contemplou “o mar de vidro, semelhante ao cristal” ao redor do trono do Ancião de Dias e, de novo, “o mar de vidro misturado com fogo”.[2] Assim, o intercâmbio entre o fogo sagrado e o fluxo das águas no Grande Sol Central é sempre o movimento de Alfa e Ômega que concede vida no coração da Mônada flamejante, cuja Presença em vós é o EU SOU O QUE EU SOU.

Dessa forma, ao gerar a vida continuamente, o Pai e a Mãe liberam o cordão de cristal como uma corrente de luz cristalina. Como um poderoso caduceu atravessando o oceano do cosmo, essa corrente é o altar ascendente e descendente da coluna vertebral, cuja estrutura se transforma em superestrutura para os veículos mental e físico de toda parte da vida.[3]

Ver também

Elementais

Fontes

Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Os Mestres e os seus retiros, s.v. “Netuno e Luara.”

  1. Jesus e Kuthumi, Universidade do Espírito – Lições do Conclave da Coroa (SLB Editora)
  2. Ap 15:2.
  3. Netuno e Luara, Pérolas de Sabedoria, vol. 23 nº 17, 27 de abril de 1980.