Sarasvati

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Sarasvati and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎español • ‎português
Escultura em grês de Sarasvati, Índia (século dez)
Pintura de Sarasvati, artista desconhecido, Índia (século dezenove)

A Mãe Divina na sua manifestação como Sarasvati é a shakti de Brahma. Na Trindade hindu, Brahma é conhecido como o Criador, o equivalente de Deus, o Pai, da Trindade Ocidental. Ele é o Legislador Divino, fonte de todo o conhecimento. Juntos, Brahma e Sarasvati são a encarnação da força cósmica.

Atributos

Sarasvati é conhecida como a Deusa da Palavra, e é identificada com Vac, o Verbo. Ela representa a eloquência e articula a sabedoria da Lei. É a Mãe-Instrutora para aqueles de nós que amam a Lei que Brahma revelou, e é o poder da volição, da vontade e da motivação para ser a Lei em ação. Sarasvati representa a união do poder com a inteligência, da qual surge a criação organizada.

No livro Simbolismo no Hinduísmo, A. Parthasarathy observa que o nome Sarasvati significa literalmente "aquele que dá a essência do nosso próprio Ser". Às vezes, Sarasvati é representado com quatro mãos, sentada numa flor de lótus. Ela segura as escrituras sagradas em uma mão e um lótus na outra. Com as duas mãos restantes, ela toca alaúde indiano (veena).[1]

Parthasarathy escreve: “A Deusa, portanto, representa o guru ideal.... ‘Sentar-se no lótus’ simboliza que o professor está bem estabelecido na experiência subjetiva da Verdade. ‘Segurar as Escrituras na mão’ indica que ela sustenta que somente o conhecimento das Escrituras pode nos levar à Verdade”. Parthasarathy diz que o toque do alaúde por Sarasvati sugere “que um professor verdadeiramente qualificado sintoniza a mente e o intelecto do buscador e extrai dele a música e a melodia da vida”.[2]

Segundo o estudioso David Frawley, em um sentido esotérico, Sarasvati “representa o fluxo da sabedoria, o fluxo livre do conhecimento da consciência”.[3] Ela é chamada de Ser Fluente, a fonte da criação pela Palavra.

Sarasvati também representa a pureza e se veste de branco. David Kinsley, professor de estudos religiosos na Universidade McMaster, em Ontário, Canadá, explica:

Os temas predominantes na aparência de Sarasvati são pureza e transcendência. Diz-se quase sempre que ela é branca pura como a neve, a lua ou a flor kunda ... Dizem que suas roupas são impetuosas em sua pureza...

A natureza transcendente de Sarasvati... também é sugerida em seu veículo, o cisne. O cisne é um símbolo de transcendência e perfeição espiritual no hinduísmo... Sarasvati, montada em seu cisne, sugere uma dimensão da existência humana que se eleva acima do mundo físico e natural. Seu reino é de beleza, perfeição e graça; é um domínio criado por inspiração artística, discernimento filosófico e conhecimento acumulado, que permitiu aos seres humanos refinarem tanto seu mundo natural que foram capazes de transcender suas limitações. Sarasvati, montada em seu cisne, atrai os seres humanos para a criação cultural continuada e a perfeição civilizada... Ela não apenas sustenta o mundo e é seu criador, mas também é o meio de transcender o mundo.[4]

Sarasvati está associada à linguagem, à poesia, à música e à cultura e é conhecida como a Deusa do Aprendizado e Patrocinadora das Artes e da Música. Reverenciada tanto pelos hindus como pelos budistas, estes consideram-na consorte de Manjushri, o bodhisattva da sabedoria. Os budistas apelam para Manjushri pedindo inteligência, sabedoria, mestria dos ensinamentos, poder de exposição, eloquência e memória. Ele trabalha com o Senhor Maitreya. Às vezes, os dois são retratados formando um trio com Gautama Buda, no qual Manjushri representa o aspecto da sabedoria e Maitreya o da compaixão do ensinamento Budista. Como Sarasvati, Manjushri traz o dom da iluminação.

O rio Sarasvati

Nos Vedas, os textos hindus primitivos, Sarasvati é a deusa de um rio. Os Vedas dizem que Sarasvati foi o maior rio da Índia. Durante anos, acreditou-se que Sarasvati fosse um mito, mas, em 1985, uma pesquisa arqueológica descobriu um antigo leito de rio que coincidia com a descrição de Sarasvati: um rio largo, que tinha entre seis e nove quilômetros na maior parte da sua extensão, e corria do oeste dos Himalaias para o mar. Frawley acredita que o Sarasvati eram o principal local de habitação na época em que os Vedas foram compostos há milhares de anos.[5]

Frawley diz que o Sarasvati, “como o Ganges mais tarde, simbolizam o Sushumna, o rio do conhecimento espiritual, a corrente que flui [através do canal medular] através dos sete chakras do corpo sutil. Ela não é apenas a Via Láctea ou rio do Céu, interiormente é o rio da verdadeira consciência que flui para este mundo.”[6]

O Rigveda chama Sarasvati de “a melhor mãe, o melhor rio e a melhor deusa”.[7] Também diz: “Sarasvati, como um grande oceano, aparece com seu raio, ela governa todas as inspirações.”[8]

A “sílaba-semente” sagrada de Sarasvati, ou bija, é Aim. Um bija mantra encerra a essência de um ser cósmico, de um princípio ou de um chakra. O mantra de Sarasvati é Om Aim Sarasvatye Namaha.

Ver também

Brahma

Fontes

Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Os Mestres e os seus retiros, s.v. “Sarasvati, Shakti de Brahma.”

  1. A. Parthasarathy, “Consortes dos Três Deuses”, em R. S. Nathan, comp., Symbolism in Hinduism (Bombaim: Central Chinmaya Mission Trust, 1989), p. 157.
  2. Ibid., pp. 157-58.
  3. David Frawley, From the River of Heaven: Hindu and Vedic Knowledge for the Modern Age (Sandy, Utah: Morson Publishing, 1990), p. 126.
  4. David Kinsley, Hindu Goddesses: Visions of the Divine Feminine in the Hindu Religious Tradition (Berkeley, Calif.: University of California Press, 1986), pp. 62, 141.
  5. David Frawley, Gods, Sages and Kings: Vedic Secrets of Ancient Civilization (Salt Lake City, Utah: Passage Press, 1991), pp. 72-76, 354-57 nn. d-g.
  6. Ibid., P. 219.
  7. Rigveda 2.41.16, 1.3.12, citado em Frawley, Deuses, sábios e reis, pp. 70 , 71.
  8. Sri-sukta 1, 6, 13, 4, em Rigveda, citado por David Kinsley, The Goddesses' Mirror: Visions of the Divine from East and West(Albany, NY: State University of New York Press, 1989), p. 55.