Cruzeiro do Sul

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Southern Cross and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎português
O Cruzeiro do Sul

O Cruzeiro do Sul (também conhecido como Crux) é uma constelação no céu do hemisfério sul. É uma das constelações mais fáceis de ser reconhecida, e com frequência é usada para navegação no hemisfério sul como a Estrela Polar é para o hemisfério norte. O Cruzeiro do Sul consta nas bandeiras da Austrália, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, Brasil e Samoa.

Ao longo do ciclo de 25.800 anos da precessão dos equinócios, a posição do Cruzeiro do Sul em relação ao polo sul celeste varia, consideravelmente. As estrelas desta constelação eram conhecidas pelos gregos antigos e, eram visíveis tão ao norte quanto a Grã-Bretanha no quarto milênio B. C. No entanto, por volta de 400 A. D., a maioria das estrelas da constelação nunca se ergueu acima do horizonte de Atenas. Conclui-se que o Cruzeiro do Sul foi visível pela última vez no horizonte em Jerusalém por volta da época da crucificação de Jesus.[1]

Os mestres ascensos falaram sobre o Cruzeiro do Sul em várias ocasiões.

Na Carta de Natal de El Morya de 1974, ele transmitiu uma mensagem de Alfa e Ômega:

“Eis que, EU SOU Alfa e Ômega! E eu coloco a estrela de Cristo, o campo de força energético do Corpo Causal de Jesus, sobre cada alma que recolhe novelos de luz no ventre da Mãe enquanto o corpo do Senhor é formado e reformado para sua vinda eterna. Coloco o fogo do Cruzeiro do Sul como um campo de força de proteção na aura de toda mãe que espera um filho. E eu digo daqueles que massacram os santos inocentes: Eles não passarão! Assim seja com eles conforme o que está escrito no Livro da Vida.”

Cuzco-pt, 28 de março de 1975:

Os homens olham para os céus buscando os cometa como um sinal, mas como o Filho de Deus disse: “Nenhum sinal será dado, exceto o sinal do profeta Jonas.” No entanto, há um sinal nos céus que prediz o tempo de seu aparecimento na humanidade, em um planeta e em um povo. É o sinal do Cruzeiro do Sul. É a cruz de luz de fogo branco no sul, onde nasce a chama da Mãe.

A humanidade reconhece o sinal da vinda da Mulher vestida com o Sol e do nascimento de seu Filho Varão, pois ela contém a lua sob seus pés.[2]A vinda da Virgem Cósmica é o momento em que, para a iniciação em ciclos superiores de realização de Deus, um planeta e um povo devem passar pela iniciação da crucificação. Portanto, que a cruz cósmica de fogo branco, que agora marco como o sinal dos Seres Crísticos, preveja a maioridade de um planeta, de um povo e do sonho de Deus pela liberdade de ambos.[3]

El Morya 3 de outubro de 1989:

Eu vos selo com o sinal e a vibração do lápis-lazúli. Eu sou vosso Morya El, nunca estou disposto a ser moldado nos moldes de ninguém. Portanto, eu vim em minha vestimenta de amor, levando minha chama de carinho para os meus. Coloco a réplica interna do Cruzeiro do Sul preenchida como fogo branco para selar a Comunidade.

El Morya também falou do Cruzeiro do Sul em "Folhas do Jardim de Morya":

Voai nas alturas com vossos pensamentos. Voai por afirmação.

Voai por amor.
E percebereis a alegria de voar.
E o abismo da vida permanecerá muito abaixo de vós.
E um milagre de cores flamejantes irradiará perto do esplendor do Cruzeiro do Sul.

Tudo pode ser alcançado.[4]

Fontes

Compilado pelos editores.

  1. Richard Hinckley Allen, "Star Names: Their Lore and Meaning" (Nova York: Dover, 1963), p. 185.
  2. Ap. 12: 1, 2, 5.
  3. Cuzco, “The Crucifixion Is the Joy of Overcoming”, Pearls of Wisdom, vol. 62, no. 14, 8 de abril de 2019.
  4. Morya, "Folhas do Jardim de Morya", 328.