Vaivasvata Manu

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Vaivasvata Manu and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎español • ‎português

Vaivasvata Manu e a sua consorte são manus da quinta raça-raiz. Como manus, mantêm o padrão arquetípico para essa raça-raiz e patrocinam a senda Crística para todas as almas em evolução. Os manus e os seus complementos divinos representam o Deus Pai-Mãe para as suas respetivas raças-raízes. Os membros de uma raça-raiz encarnam juntos e têm um padrão arquetípico, um plano divino e missão únicos a cumprir na Terra.

Ensinamentos orientais

Vaivasvata é um termo sânscrito que significa “nascido do Sol” – nascido do Sol, nascido do Grande Sol Central. Segundo os ensinamentos hindus, Vaivasvata é um poeta, um sábio e guru. É também um dos manus, ou legisladores divinos, que guiam as vidas da humanidade. Os hindus acreditam que ele seja o manu da era atual.

Na mitologia hindu, Vaivasvata aparece como o Noé indiano, e várias lendas relatam como ele foi salvo de um grande dilúvio. Helena Blavatsky referiu-se a ele como “o progenitor da quinta raça, à qual salvou do dilúvio que quase exterminou a quarta raça”. Ela explicou, ainda, que cada manu “deve testemunhar um dos periódicos e recorrentes cataclismos” (que acontecem, pelo fogo e pela água, de maneira alternada) “que encerram o ciclo de toda raça-raiz”.[1]499

No livro Os Mestres e a Senda, C. W. Leadbeater descreve Vaivasvata como “um personagem de aspecto real... o adepto de maior estatura, pois mede 1,97m com proporções perfeitas. Ele é o Homem Representativo da nossa raça, o seu protótipo, e todos os membros dessa raça descendem diretamente dele. O rosto do Manu irradia grande poder: nariz aquilino, barba castanha, espessa e ondulada, olhos também castanhos, e uma magnífica cabeça de porte leonino. Ele vive atualmente nas montanhas dos Himalaias”.[2]

Seu serviço hoje

Ele vive atualmente nas montanhas dos Himalaias”, onde mantém um foco. A chama focalizada no retiro do Mestre magnetiza as almas que evoluem na quinta raça-raiz, para o padrão da consciência Crística, que ele sustenta por elas. O amor de Vaivasvata pelos seus filhos é tão grande que quando eles contatam a chama do cálice do coração no seu altar, libertam-se das imposições da civilização contrárias ao destino que devem cumprir, como membros da raça-raiz. O seu padrão eletrônico é uma filigrana complexa, mas delicada; uma antahkarana que envolve a Terra e se conecta com a chama do coração de cada membro da sua família.

A pronuncia de certas vogais em um certo tom sintoniza a consciência com a antahkarana, ou rede de luz, e consequentemente, com o extraordinário poder divino de Vaivasvata. Os estudantes, sejam eles da quinta raça, ou não, deveriam fazer o chamado para se sintonizarem com essa antahkarana, pois o Manu direciona correntes poderosas que se assemelham a estrelas cadentes cruzando as vastas regiões do planeta para chegarem ao coração de todos que servirão com ele.

Vaivasvata Manu disse:

Aprendei esta lição de um guru que teve centenas e milhares de chelas vitoriosos: a obediência absoluta ao instrutor assegurar-vos-á mestria imediata. Quando vos sentirdes sozinhos, deslocados, incompreendidos e difamados, lembrai-vos de Vaivasvata Manu e pedi que o meu padrão se manifeste. Pedi qe o vosso padrão se manifeste e sabei que eu estou no centro de todos os padrões, como o núcleo de fogo branco da consciência.

EU SOU o núcleo de fogo branco da consciência da semente e dos rebentos, do carvalho e da sequóia, da flor, da estrela, dos pássaros que gorjeiam, dos sinos da igreja que repicam, do tique-taque do relógio, o relógio cósmico que assinala o tempo da iniciação da vitória, do amor. Caminho convosco a cada passo do caminho, porque vou atrás das crianças do amanhecer, as crianças da minha raça-raiz. Assim, a partir de agora, gostaria de enviar-vos, em asas da luz, o ímpeto da nossa luz e do nosso amor, para que consigais transmitir o grande chamado do Deus Pai-Mãe, que convida as nossas crianças a voltarem para casa: ‘Vinde para casa! Vinde para casa! Vinde para casa!’ Retiro-me para o coração dos raios secretos e, quando os invocardes, virei e colocarei sobre vós a minha Presença Eletrônica para vos elevar até ao padrão da identidade divina”.[3]

O complemento divino de Vaivasvata Manu continua em encarnação, ancorando as suas chamas gêmeas na forma.

Ver também

Retiro de Vaivasvata Manu nos Himalaias

Fontes

Mark L. Prophet e Elizabeth Clare Prophet, Os Mestres e os seus retiros, “Vaivasvata Manu.”

  1. Helena Blavatsky, Collected Writings, vol. 4 Wheaton, III: Theosophical Publishing House, 1959, p. 40-41.
  2. C .W. Leadbeater, Os Mestres e a Senda, Editora Pensamento, 1995, p. 39-40.
  3. Vaivasvata Manu, Nurturing the Souls of a Planet, 12 de outubro de 1973.