Zaratustra

From TSL Encyclopedia
Jump to navigation Jump to search
This page is a translated version of the page Zarathustra and the translation is 100% complete.
Other languages:
English • ‎español • ‎português
Zaratustra

Atualmente, este cargo da Hierarquia é ocupado por aquele que encarnou na Pérsia antiga como fundador do Zoroastrismo. Ele é o mais alto iniciado do fogo sagrado do planeta e a autoridade responsável pelas energias do fohat. Zaratustra coordena os sacerdotes do fogo sagrado e o sacerdócio de Melquisedeque.

Todos os membros da Grande Fraternidade Branca servem na Ordem de Melquisedeque, assim como servem o fogo sagrado, mas somente os que alcançaram um certo nível de iniciação podem ser chamados Sacerdotes da Ordem de Melquisedeque. Os outros membros servem os propósitos da Ordem, mas não recebem o título de sacerdotes. Zaratustra tem muitos discípulos que servem sob a sua direção, e quando o mais avançado alcança uma certa mestria, é considerado apto para o cargo, e o professor pode passar para o serviço cósmico.

O registro histórico

O Zoroastrismo é uma das religiões mais antigas do mundo. Zaratustra, o seu fundador, foi um profeta que conversava diretamente com Deus.

Mary Boyce, Professora Emérita de Estudos Iranianos da Universidade de Londres, salienta:

Zoroastrismo é a mais antiga das religiões mundiais reveladas e, provavelmente, teve mais influência na humanidade, direta e indiretamente, do que qualquer outra fé.[1]

De acordo com R. C. Zaehner, ex-Professor Spalding de Religiões Orientais e Ética na Universidade de Oxford, Zaratustra foi

... um dos maiores gênios religiosos de todos os tempos ... [Ele] foi um profeta, ou pelo menos se concebeu como tal; ele falou com seu Deus face a face .... [No entanto] sobre o Profeta em si não sabemos quase nada que seja autêntico.[2]

Zaratustra viveu em uma sociedade inculta, que nada registrava. Os seus ensinamentos foram transmitidos oralmente e muito do que foi escrito mais tarde sobre a sua vida e os seus ensinamentos perdeu-se ou foi destruído. O material que os estudiosos conseguiram reunir sobre o Iniciado proveio de três fontes: o estudo do meio social, antes da época e na época em que se acredita que ele tenha vivido; a tradição e os Gathas, dezessete hinos sagrados supostamente compostos por ele. Os Gathas estão registrados no Avesta, as escrituras sagradas do Zoroastrismo.

Cenas da vida de Zaratustra

Acredita-se que Zaratustra tenha nascido na região leste do Irã atual, mas não há uma certeza sobre isso. A sua data de nascimento ainda é mais difícil de estabelecer. Os eruditos calculam que seja algo entre 1700 a.C. e 600 a.C., mas o consenso geral é de que ele tenha vivido por volta de 1000 a.C..

Os Gathas são a chave para determinar o ano aproximado de nascimento de Zaratustra. Eles são linguisticamente semelhantes ao Rigveda, um dos textos sagrados dos hindus. De acordo com Boyce:

A linguagem dos Gathas é arcaica e próxima à do Rigveda (cuja composição foi atribuída a cerca de 1700 B.C. em diante); e a imagem do mundo a ser obtida com [os Gathas] é correspondentemente antiga, a de uma sociedade da Idade da Pedra ... Portanto, só é possível arriscar uma conjectura fundamentada de que [Zaratustra] viveu entre 1700 e 1500 B.C.[3]

Outros estudiosos que trabalham com as mesmas evidências situam seu nascimento entre 1400 e 1200 B.C.

Os Gathas dizem que Zaratustra era da família Spitama, uma família de cavaleiros. O nome grego de Zaratustra é Zoroastro, que significa “Estrela Dourada” ou “Luz Dourada”. Ele era um sacerdote que formulava mantras.

Zaratustra também foi um iniciado. De acordo com Boyce, “Ele ... se descreve [nos Gathas] como um 'vaedemna' ou 'aquele que sabe', um iniciado possuidor de sabedoria divinamente inspirada.”[4] Mas, acima de tudo, Zaratustra foi um profeta, e "ele é" um profeta e vive hoje entre nós como um mestre ascenso.

Os Gathas o descrevem falando com Deus. Eles dizem:

Ele é “o Profeta que levanta a voz em veneração, o amigo da Verdade”, o amigo de Deus, um “verdadeiro inimigo dos seguidores da Mentira e um forte apoio para os seguidores da Verdade”.[5]

Chamado como um profeta

Segundo a tradição, aos vinte anos, Zaratustra deixou pai, mãe e esposa para ir em busca da Verdade. Dez anos mais tarde, teve a primeira de muitas visões.

Boyce escreve:

Conforme a tradição, Zoroastro tinha trinta anos, a época da sabedoria madura, quando a revelação finalmente veio a ele. Este grande acontecimento é mencionado em um dos Gathas e descrito sucintamente em uma obra Pahlavi [persa médio]. Aqui é dito que Zoroastro, estando em uma reunião [convocada] para celebrar um festival de primavera, foi ao amanhecer a um rio para buscar água.

Ele entrou para tirar [a água] do meio do rio; e quando ele voltou a margem ... ele teve uma visão. Ele viu na margem um Ser brilhante, que se revelou como Vohu Manah ‘Boa [Mente]’; e este Ser levou Zoroastro à presença de Ahura Mazda e cinco outras figuras radiantes, diante das quais 'ele não viu sua própria sombra sobre a terra, devido à sua grande luz'. E foi então, deste grande heptad [ou grupo de sete seres], que ele recebeu sua revelação.”[6]

Podemos conjeturar que os sete seres deste grande heptal não eram outro senão os Sete Santos Kumaras.

Ahura Mazda significa “Senhor Sábio” e Zaratustra reconheceu em Ahura Mazda o Deus Verdadeiro, o Criador do universo.

A sua importância não pode ser subestimada. Zaratustra pode ter sido o primeiro monoteísta registrado na história. Zaehner destaca: “A grande conquista do Profeta Iraniano [foi] que ele eliminou todos os deuses antigos do panteão iraniano, deixando apenas Ahura Mazdah, o 'Senhor da Sabedoria', como o Único Deus Verdadeiro.”[7]

Alguns estudiosos afirmam que Zaratustra não era um monoteísta estrito, mas um henoteísta, isto é, alguém que adora um Deus, mas não nega a existência de outros. Esta é uma distinção técnica. Como David Bradley, autor de "Um Guia para as Religiões do Mundo", observa, “[Zaratustra] era um monoteísta praticante da mesma forma que Moisés era.”[8] Bradley pensa que Moisés sabia da existência de deuses inferiores, mas insistiu na necessidade de se aliar ao Deus verdadeiro contra todos os outros deuses.[9]

Pouco depois de sua primeira visão, Zaratustra tornou-se porta-voz de Ahura Mazda e começou a proclamar sua mensagem.

De acordo com Simmons, Zaratustra instituiu uma reforma religiosa que foi mais abrangente e radical do que o desafio de Martinho Lutero à Igreja Católica Romana.[10]

A reforma de Zaratustra teve várias facetas. Seu principal objetivo era erradicar o mal. Ele começou a condenar as doutrinas religiosas de seus conterrâneos.

A antiga religião, o melhor que podemos dizer, tinha duas classes de divindades - os "ahuras", ou "senhores", e os "daevas", ou "demônios". De acordo com Zaehner:

São ... os "daevas" especificamente quem Zoroastro ataca, não os "ahuras" que ele prefere ignorar .... Com toda probabilidade ele os considerava criaturas de Deus e que lutavam do Seu lado. De qualquer forma, ele concentrou todo o peso de seu ataque nos "daevas" e seus adoradores que praticavam um ritual de sacrifício sangrento e eram os inimigos da comunidade pastoral estabelecida à qual o Profeta pertencia.[11]

Zaratustra e Vishtaspa

Divulgando sua mensagem

No início da sua missão, Zaratustra não teve sucesso. Zaehner observa: “É óbvio a partir dos Gathas que Zoroastro encontrou forte oposição das autoridades civis e eclesiásticas quando, uma vez, proclamou sua missão.” [12] Os sacerdotes e os seguidores dos “daevas” perseguiam-no e, segundo a tradição, tentaram matá-lo inúmeras vezes.

Somente após uma década Zaratustra conseguiu a primeira conversão: a de um primo seu. Depois, foi conduzido divinamente, até à corte do Rei Vishtaspa e da Rainha Hutaosa.

Vishtaspa, era um monarca honesto e simples, mas vivia rodeado de karpans, um grupo de sacerdotes manipuladores que só se preocupavam com eles mesmos. Eles convocaram um conselho para confrontar as revelações do novo profeta, e conseguiram mandá-lo para a prisão. De acordo com a história, Zaratustra ganhou a liberdade quando, por milagre, curou um cavalo negro, o favorito do rei. Vishtaspa deu-lhe permissão para ensinar a nova fé à sua consorte, a rainha Hutaosa. A bela Hutaosa tornou-se uma das principais protetoras de Zaratustra e ajudou-o a converter Vishtaspa.

Após dois longos anos, o monarca converteu-se, mas exigiu um último sinal, antes de aderir totalmente à fé. Ele pediu que lhe fosse mostrado o papel que teria no mundo celestial. Por isso, Ahura Mazda enviou três arcanjos para a corte de Vishtaspa e Hutaosa. Os três pareciam cavaleiros resplandecentes, usavam armaduras e montavam cavalos. De acordo com um texto, eles chegaram com tamanha glória, que a radiação “dos três naquela moradia eminente assemelhava-se a...um céu pleno de luz, devido ao seu imenso poder e triunfo. Quando olhou para os arcanjos, o nobre rei Vishtaspa e os cortesãos estremeceram, e os comandantes ficaram confusos”.[13]

Irradiando uma luz ofuscante e o som do ribombar do trovão, os arcanjos anunciaram que vinham em nome de Ahura Mazda e traziam uma mensagem de Zaratustra. Eles prometeram a Vishtaspa que ele viveria cento e cinquenta anos, e que ele e Hutaosa teriam um filho imortal. No entanto, os arcanjos avisaram que, caso ele não aceitasse a religião, seu fim estaria próximo. O rei abraçou a fé e foi seguido por toda a corte. As escrituras registram que os arcanjos passaram a viver com Vishtaspa.

Mensageiro de Sanat Kumara

Em um ditado transmitido em 1° de janeiro de 1981, o Mestre Ascenso Zaratustra referiu-se ao rei Vishtaspa e à rainha Hutaosa:

Venho para conceder o fogo sagrado do Sol por detrás do sol, que vos elevará e estabelecerá em vós o ensinamento original de Ahura Mazda, Sanat Kumara, transmitido há muito tempo, na antiga Pérsia, a mim, ao rei e à rainha que foram convertidos pelos arcanjos, pelo fogo sagrado e pelos santos anjos, por meio da descida da luz. Como as suas correntes de vida aceitaram a minha profecia, multiplicou-se o pão da vida do coração de Sanat Kumara, do qual fui mensageiro, e continuo sendo.

Os ensinamentos das hostes do SENHOR e a vinda do grande avatar de luz, os ensinamentos sobre a traição e a subsequente guerra da suas hostes contra os malvados, foram compreendidos e propagados. A lei do carma, a lei da reencarnação e mesmo a visão dos últimos dias, quando o mal e o Ser Maligno seriam derrotados – tudo isso contribuiu para a conversão do Rei e da Rainha e para a propagação da fé entre todos os súbditos do país. Por intermédio do meu cargo, os arcanjos puseram à prova os dois eleitos. Ao serem aprovados, foram abençoados como emissários secundários de Sanat Kumara. E, portanto, eu, o profeta, e eles mantendo o equilíbrio na Terra, manifestamos uma trindade de luz e o fluxo da figura em forma de oito.

Identificai os ingredientes necessários à propagação da fé por todo o planeta. Os arcanjos enviaram o seu mensageiro com uma dádiva de profecia, que é a Palavra de Sanat Kumara para todas as culturas e para todas as eras. O profeta vem com a visão, a unção e o fogo sagrado. Mas, a menos que o profeta encontre um campo fértil de corações chamejantes e receptivos, a autoridade da Palavra não será transmitida ao povo.[14]

Ahura Mazda no disco alado, do Salão das 100 Colunas, Persépolis, Pérsia Aquemênida, 486–460 B.C.

Ahura Mazda

Zaratustra reconheceu Ahura Mazda, o Senhor da Sabedoria, como o criador de tudo, mas não o via como uma figura solitária. No Zoroastrismo, Ahura Mazda é o pai de Spenta Mainyu, o Espírito Santo. "Spenta" significa “sagrado” ou “generoso”. "Mainyu" significa “espírito” ou “mentalidade”. O Espírito Santo é um com, embora distinto de, Ahura Mazda. Ahura Mazda expressa sua vontade por meio de Spenta Mainyu.

Boyce explica:

Para Zarathushtra, Deus era Ahura Mazda, que ... havia criado o mundo e tudo o que há de bom nele por meio de seu Espírito Santo, Spenta Mainyu, que é tanto seu agente ativo quanto um com Ele, indivisível e, no entanto, distinto.[15]

Simplificando, o Espírito é sempre o Espírito do Senhor. Quando falamos do Espírito Santo, é o Espírito de Deus.

Ahura Mazda também é o pai dos Amesha Spentas, ou seis “Sagrados” ou “Aabundantes Imortais”. Boyce diz que o termo "spenta" é um dos mais importantes na teologia de Zaratustra. Para ele, significava "possuir poder". Quando usado em conexão com as divindades benéficas, significava “possuir poder para ajudar” e, portanto, “promover, apoiar, beneficiar”.[16]

Zaratustra ensinou que Ahura Mazda criou o mundo em sete etapas. Ele fez isso com a ajuda dos seis grandes Santos Imortais e seu Espírito Santo. O termo "Amesha Spenta" pode se referir a qualquer uma das divindades criadas por Ahura Mazda, mas se refere, especialmente, às seis que ajudaram a criar o mundo. De acordo com Boyce:

Essas divindades formaram um heptado com o próprio Ahura Mazda .... Diz-se que Ahura Mazda é seu "pai", ou se "mesclou" com eles, e em um ... texto sua criação deles é em comparação com o acender de tochas a partir de uma tocha.

Os seis grandes Seres então, por sua vez, Zoroastro ensinou, evocaram outras divindades beneficentes, que são na verdade os deuses beneficentes do panteão iraniano pagão ... Todos esses seres divinos, que são ... direta ou indiretamente as emanações de Ahura Mazda, lutam sob ele, de acordo com suas várias tarefas designadas, para promover o bem e derrotar o mal.[17]

Os seis santos ou abundantes imortais também representam atributos de Ahura Mazda. Os Santos Imortais são os seguintes:

"'Vohu Manah'", cujo nome significa “Boa Mente”, “Bom Pensamento” ou “Bom Propósito”. De acordo com Boyce, “Para cada indivíduo, quanto ao próprio profeta”, Vohu Manah é “o Imortal que lidera o caminho para todo o resto”. "'Asha Vahishta'", cujo nome significa “Melhor Justiça”, “Verdade” ou “Ordem”, é o confederado mais próximo de Vohu Manah.[18]

"'Spenta Armaiti'", “Retidão da mente” ou “Sagrada Devoção”, diz Boyce, personifica a dedicação ao que é bom e justo. "'Khshathra Vairya'", “Desejável Domínio”, representa o poder que cada pessoa deve exercer para a retidão, bem como o poder e o reino de Deus.[19]

Os dois finais são um par. Eles são "'Haurvatat'", cujo nome significa “Totalidade” ou “Saúde”, e "'Ameretat'", cujo nome significa “Longa Vida” ou “Imortalidade”. Boyce diz que esses dois aumentam a existência terrena e conferem bem-estar e vida eternos, que podem ser obtidos pelos justos na presença de Ahura Mazda.[20]Ela diz:

A doutrina do Heptad está no cerne da teologia zoroastriana. Junto com [o conceito do Bem e do Mal], ele fornece a base para a espiritualidade e a ética zoroastriana e molda a atitude zoroastriana característica de administração responsável por este mundo.[21]

Na tradição posterior, os seis Santos Imortais foram considerados como Arcanjos.

A natureza do bem e do mal

Quando se tratava do Bem e do Mal, a tendência de Zaratustra era ver as coisas em preto e branco. De acordo com Zaehner:

O Profeta não conhecia o espírito de transigência ... De um lado estava Asha - Verdade e Retidão - [e] do outro, Druj - a Mentira, a Iniquidade e a Desordem. Este não era um assunto em que um acordo fosse possível [no que dizia respeito a Zaratustra].... O Profeta [proibiu] seus seguidores de ter qualquer contato com os “seguidores da Mentira”.[22]

A origem do conflito entre a Verdade e a Mentira é descrita nos Gathas. É apresentado como um mito sobre dois Espíritos, chamados gêmeos, que devem fazer uma escolha entre o Bem e o Mal no início dos tempos. Um dos dois é o Espírito Santo, filho de Ahura Mazda. O outro é a Mente do Mal ou o Espírito do Mal, Angra Mainyu.

Zaratustra introduziu o mito com as seguintes palavras, que sublinham o importantíssimo conceito de livre arbítrio e de que todo homem deve escolher a Verdade ou a Mentira: “Ouça com os ouvidos, observe com a mente toda clara as duas escolhas entre as quais você deve decidir, cada homem [decidindo] por si mesmo, [cada homem] sabendo como isso aparecerá para nós no [momento da] grande crise.”[23] Em seguida, ele começou a recontar o mito:

No início, aqueles dois Espíritos que são gêmeos bem dotados eram conhecidos como um bom e o outro mau, em pensamento, palavra e ação. Entre eles, os sábios escolheram corretamente, mas não os tolos. E quando esses Espíritos se encontraram, estabeleceram no início a vida e a morte que no final os seguidores da Mentira deveriam encontrar a pior existência, mas os seguidores da Verdade com a Melhor Mente.

Destes dois Espíritos aquele que era da Mentira escolheu fazer as piores coisas; mas o Espírito Santo, revestido de céu acidentado, [escolheu] a verdade como o fizeram [todos] os que procuraram com zelo fazer a vontade do Senhor da Sabedoria [fazendo] boas obras.

Entre os dois, os "daevas" [os demônios] não escolheram corretamente; pois, conforme eles deliberavam, a ilusão os venceu de modo que escolheram a Mente Má. Então eles, de comum acordo, precipitaram-se para a Fúria para, assim, extinguir a existência de homens mortais.[24]

O Espírito Santo e o Espírito do Mal são, como diz Zaehner, “irreconciliavelmente opostos um ao outro”.[25] Zaratustra disse:

Falarei sobre os dois Espíritos dos quais, no início da existência, o Santo assim falava àquele que é o Mal: “Nem os nossos pensamentos, nem os nossos ensinamentos, nem as nossas vontades, nem as nossas escolhas, nem as nossas palavras, nem nossas ações, nem nossas consciências, nem ainda nossas almas concordam.”[26]

Zaehner observa que este estado de conflito afetou todas as esferas de atividade humana ou divina. Na esfera social, o conflito se dava entre as comunidades pastoris de pacíficos criadores de gado, que eram “adeptos da Verdade ou da Justiça”, e os bandos de nômades predadores, que atacavam os criadores de gado. Zaratustra chamou esses nômades predadores de “seguidores da mentira”.[27]

No plano religioso, o conflito ocorreu entre Zaratustra e seus seguidores e aqueles que eram seguidores da religião tradicional iraniana e adoravam os "daevas". Os adeptos desta religião antiga disseram que ela foi fundada por Yima, a filha do Sol. Zaratustra atacou Yima e o ritual de sacrifício de animais que ele havia introduzido.[28]

Ele também condenou o rito associado à ingestão de "haoma", o suco fermentado de uma planta que causava “embriaguez imunda”.[29]Os estudiosos não têm certeza do que era "haoma", mas concluem da descrição dos efeitos que teve sobre aqueles que o beberam que provavelmente continha um alucinógeno. Zaehner escreve: “Para Zoroastro, todo o culto com seu sacrifício sangrento e embriaguez ritual é um anátema - um rito oferecido a falsos deuses e, portanto, uma 'mentira'.” [30]

Zaratustra disse que “os seguidores da Mentira” destruíram a vida e se esforçaram para “separar os seguidores da Verdade da Boa Mente”.[31] Os seguidores da Mentira sabiam quem era Zaratustra, reconheceram o perigo que ele representava e fizeram de tudo para destruí-lo. Para tanto, eles continuaram a sacrificar touros e a participar do rito do "haoma". De acordo com Zaehner:

Parece haver pouca dúvida de que um estado de guerra real existia entre as duas partes, Zoroastro e seu patrono Vishtaspa de um lado e os chamados seguidores da Mentira, muitos dos quais ele menciona pelo nome, por outro.[32]

Finalmente, a batalha continuou dentro do homem. John Noss, autor de "Man's Religions", observa que “talvez fosse o princípio moral cardinal de Zoroastro, que a alma de cada homem é a sede de uma guerra entre o bem e o mal.”[33]

Uma das principais armas usadas para atacar demônios e homens maus foi a prece escrita por Zaratustra, o Ahuna Vairya. Esta curta oração é a mais sagrada das orações zoroastrianas:

Como Mestre, o Juiz deve ser escolhido de acordo com a Verdade. Estabeleça o poder dos atos decorrentes de uma vida vivida com bons propósitos, para Mazda e para o senhor que eles fizeram pastor dos pobres. [34]

O senhor na última linha desta prece é considerado o próprio Zaratustra. A prece é antiga. Está escrita no estilo do Rigveda. De acordo com Simmons, esta prece é um mantra. Simmons diz que os zoroastristas acreditam que "pronunciar palavras no ritual zoroastriano tem um efeito no mundo externo". Eles acreditam que se um mantra específico for pronunciado corretamente, afetará as circunstâncias externas.[35]

Zaehner resume:

Para Zoroastro existe um só Deus, Criador do céu e da terra e de todas as coisas. Em suas relações com o mundo, Deus age por meio de suas principais “faculdades”, às vezes mencionadas como sendo geradas por Ele - Seu Espírito Santo, [Sua] Justiça, [Sua] boa mente e retidão. Além disso, Ele é o mestre do Reino, da Totalidade e da Imortalidade, que também formam aspectos de si mesmo.

Justiça ou Verdade é o padrão objetivo de comportamento correto que Deus escolhe ... Iniquidade ou desordem ... é o padrão objetivo de tudo que luta contra Deus, o padrão que o Espírito Maligno escolhe no início da existência. O mal imita a boa criação: e assim encontramos o Espírito Maligno operando contra o Espírito Santo, a Mente Maligna contra a Mente Boa, a Mentira ou maldade contra a Verdade ou a Justiça e o Orgulho contra a Mente certa.

O mal deriva da escolha errada de um ser livre que precisa, em algum sentido, derivar de Deus, mas por cuja maldade Deus não pode ser responsabilizado. Angra Mainyu ou Ahriman, [nomes para] o Diabo, ainda não é co-eterno com Deus como seria no sistema posterior: ele é o Adversário do Espírito Santo apenas, não do próprio Deus.[36]

Mas no final, de acordo com a doutrina zoroastriana, o Bem triunfará sobre o Mal. Esses conceitos sobre o nascimento do Mal são muito parecidos com o conceito do nascimento do Mal encontrado na Cabala.

Moralidade

O conceito de moralidade de Zaratustra pode ser resumido nas palavras "bons pensamentos, boas palavras, boas ações".[37] Esta é a ética tríplice do Zoroastrismo. Boyce escreve:

Todos os zoroastrianos, homens e mulheres, usam [uma] corda como cinto, passada três vezes em volta da cintura e com nós nas costas e na frente. A iniciação ocorreu aos quinze anos; e depois disso, todos os dias pelo resto de sua vida, o próprio crente deve desatar e refazer a corda repetidamente ao orar. O simbolismo do cinto (chamado em persa de “kusti”) foi elaborado ao longo dos séculos; mas é provável que, desde o início, as três espirais pretendiam simbolizar a ética tríplice do Zoroastrismo e, assim, concentrar os pensamentos do usuário na prática de sua fé.

Além disso, o kusti é amarrado sobre uma camisa interna de puro branco, o “sudra”, que tem uma bolsinha costurada na garganta; e isso é para lembrar ao crente que ele deve estar continuamente enchendo seu vazio com o mérito de bons pensamentos, palavras e ações, e assim acumular tesouros para si mesmo no céu.[38]

Um sacerdote zoroastriano lê um livro enquanto realiza um sacrifício, Bernard Picart (1673-1733)

Fogo no zoroatrismo

O fogo também desempenha um papel central na religião de Zaratustra. O fogo era um símbolo de Ahura Mazda. Também era um símbolo da verdade devido ao seu poder de destruir as trevas.[39]Bernard Springett escreve em seu livro "Zoroaster, o Grande Professor":

Fogo, o grande objeto de reverência dos discípulos de Zoroastro, ... sempre foi considerado um símbolo do Espírito e da Divindade, representando a luz sempre viva e sempre ativa - a essência do Ser Supremo. A preservação perpétua do fogo é a primeira das cinco coisas consagradas por Zoroastro ... A preservação perpétua do fogo tipifica a verdade essencial de que todo homem deve, da mesma maneira, tornar seu objeto constante a preservar o princípio divino em si mesmo que ele simboliza.[40]

Legado

Segundo a tradição, Zaratustra foi assassinado por um sacerdote da antiga religião iraniana, quando tinha setenta e sete anos de idade. Springett escreve que “relatos fabulosos da morte de Zoroastro são dados pelos escritores patrísticos gregos e latinos, que afirmam que ele pereceu por um raio ou uma chama do céu.”[41]

Muito do que se passou após a morte do profeta está cercado de mistérios. Os eruditos dizem que os seus sucessores reintroduziram no sistema os antigos deuses que ele destronara.

No século sete a.C., época em que os medas assumiram o poder, o Zoroastrismo era a principal força na Pérsia. Em 331 a.C., quando conquistou aquele país, Alexandre, o Grande, matou os sacerdotes e queimou o palácio real, destruindo todos os registros da tradição zoroastrista.

Assim como descreve Boyce:

Os zoroastrianos sofreram perdas irreparáveis com a morte de muitos de seus sacerdotes. Naqueles dias, quando todas as obras religiosas eram transmitidas oralmente, os padres eram os livros vivos da fé, e com massacres em massa, muitas obras antigas (afirma a tradição) foram perdidas ou preservadas apenas hesitantemente.[42]

Por volta do ano 225, o Zoroastrismo ressurgiu na Pérsia e ali se manteve, como religião oficial, até 651, quando os muçulmanos conquistaram o país. Embora a religião fosse tolerada, os conquistadores árabes incentivavam a conversão dos fiéis ao islamismo pressionando-os socialmente, dando incentivos econômicos ou pela força. Muitos zoroastristas se converteram ou optaram pelo exílio. Os zoroastristas leais que permaneceram na Pérsia tiveram de pagar impostos pelo privilégio de praticar a sua fé. Séculos mais tarde a perseguição aos zoroastristas aumentou. Em 1976, havia apenas cento e vinte e nove mil deles no mundo. Muito do que Zaratustra ensinou permanece vivo no Judaísmo, no Cristianismo e no Islamismo.[43]

Templo do fogo de Yazd, no Irã. Este templo zoroastriano foi construído em 1934. O fogo sagrado do templo está aceso desde cerca de A. D.470.

De acordo com Zaehner:

Atualmente, o zoroastrismo praticamente desapareceu do mundo, mas muito do que o profeta iraniano ensinou vive em nada menos que três grandes religiões - judaísmo, cristianismo e islamismo. Parece bastante certo que os principais ensinamentos de Zoroastro eram conhecidos dos judeus no cativeiro da Babilônia, e assim foi que naqueles séculos vitais, mas obscuros, que precederam a vinda de Jesus Cristo, o Judaísmo absorveu em sua corrente sanguínea mais ensinamentos do Profeta Iraniano do que poderia muito bem admitir.

Parece provável que foi dele e de seus seguidores imediatos que os judeus derivaram a ideia da imortalidade da alma, da ressurreição do corpo, de um diabo que trabalha não como servo de Deus, mas como seu Adversário, e talvez também de um Salvador escatológico que iria aparecer no fim dos tempos. Todas essas idéias, de uma forma ou de outra, passaram tanto para o Cristianismo quanto para o Islã.[44]

A senda mística do Zoroatrismo

Alguns zoroastristas modernos dizem que Zaratustra ensinou uma senda de união mística com Deus. O Dr. Farhang Mehr, fundador da Organização Mundial do Zoroastrismo, diz que o místico do Zoroastro busca a união com Deus, mas mantém sua identidade. Em seu livro "The Zoroastrian Tradition", ele escreve: “Ao se unir a Deus, o homem não desaparece como uma gota no oceano.”[45]

Mehr diz que Zaratustra foi “o maior místico” e que a senda do misticismo está enraizado nos Gathas. De acordo com Mehr, a senda do misticismo no Zoroastrismo é chamado de senda de Asha, ou senda da Verdade ou Retidão.[46]

Mehr delineia seis estágios nesta senda, que ele correlaciona aos atributos dos seis Santos Imortais. No primeiro estágio, o místico fortalece a mente boa e descarta a mente má. No segundo estágio, ele personifica a justiça. No terceiro, ele adquire coragem e poder divinos. Isso o capacita a servir abnegadamente ao próximo.

No quarto estágio, o místico adquire o amor universal, permitindo que ele substitua o amor próprio por um amor universal - o amor de Deus por todos. No quinto estágio, ele atinge a perfeição, que é sinônimo de autorrealização. E no sexto e último estágio, ele alcança a imortalidade, comunhão (ou união) com Deus.[47]

Seu serviço como mestre ascenso

Zaratustra é hoje um mestre ascenso cuja consciência carrega uma emanação áurica ígnea, que é um amor todo-consumidor, uma luz penetrante que alcança o núcleo de tudo o que é irreal. Nós consideramo-lo um Buda porque ele tem a mestria da expansão da chama trina e da mente Crística até ao nível de iniciação Búdica.

Estar na presença de Zaratustra é como estar na presença do próprio sol físico. A mestria que ele tem de fogo espiritual e físico é, se não a maior, uma das maiores entre os adeptos que ascenderam neste planeta. Se quisermos manter a chama de Zaratustra, devemos visualizá-lo guardando a chama, a centelha divina, no seu próprio coração. Ele é o maior de todos “os guardiães do fogo”. Quando o invocarmos, quando estivermos envolvidos na batalha entre a Luz e as Trevas e fizermos o seu chamado para atar as forças do Anticristo, lembremo-nos que Zaratustra é o principal destruidor das forças das trevas. Ele é um mestre ascenso que atingiu a mestria Búdica, cuja emanação áurica está imbuída de um amor que a tudo consome.

Retiro

Artígo principal: Retiro de Zaratustra

O retiro de Zaratustra foi construído segundo o padrão da câmara secreta do coração, que é o local onde a chama trina arde no altar do ser. O nosso sumo-sacerdote, que é o nosso Santo Cristo Pessoal, retira-se para esse local, para preservar a chama. Ele e outros mestres ascensos podem fazer-nos uma visita a esse local para instruirem a nossa alma. Zaratustra disse que seremos bem acolhidos no seu retiro quando o nosso coração estiver suficientemente desenvolvido. Ele não revelou a localização do seu retiro.

Fontes

Mark L. Prophet and Elizabeth Clare Prophet, The Masters and Their Retreats, s.v. “Zaratustra.”

Elizabeth Clare Prophet, “The Light of Persia—Mystical Experiences with Zarathustra,” Pérolas de Sabedoria, vol. 35, n° 35, 30 de agosto de 1992.

  1. Mary Boyce, "Zoroastrianos, Suas Crenças e Práticas Religiosas" (London: Routledge and Kegan Paul, 1979), p. 1.
  2. R. C. Zaehner, “Zoroastrianism,” em "The Concise Encyclopaedia of Living Faiths" (A enciclopedia concisa de crenças vivas), ed. R. C. Zaehner (1959; reimpressão, Boston: Beacon Press, 1967), pp. 222, 209.
  3. Boyce, "Zoroastrianos", p. 18.
  4. Boyce, "Zoroastrianos", p. 19.
  5. Gathas:Yasnas 50.6, 46.2, 43.8, citado em Zaehner, “Zoroastrianism,” p. 210.
  6. Boyce, "Zoroastrianos", p. 19.
  7. Zaehner, “Zoroastrianism,” p. 210.
  8. David G. Bradley, "Um Guia para as Religiões do Mundo" (Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, 1963), p. 40.
  9. Ibid.
  10. Entrevista por telefone com H. Michael Simmons, Centro de Pesquisa Zoroastriana, 28 de junho de 1992.
  11. Zaehner, “Zoroastrianismo,” p. 210.
  12. R. C. Zaehner, The Dawn and Twilight of Zoroastrianism (Londres: Weidenfeld e Nicolson, 1961), p. 35.
  13. Dinkart 7.4.75-76, citado em Bernard H. Springett, Zoroaster, the Great Teacher (Londres: William Rider and Son, 1923), p. 25.
  14. Zaratustra, A Moment in Cosmic History – The Empowerment of Bearers of the Sacred Fire (Um Momento na História Cósmica – A Concessão de oider aos Portadores do Fogo Sagrado), Pérolas de Sabedoria, vol. 24, n° 13, 28 de março de 1981.
  15. Mary Boyce, ed. and trad., "Textual Sources for the Study of Zoroastrianism" (1984; reimpressão, Chicago: University of Chicago Press, 1990), p. 12.
  16. Boyce, "Zoroastrianos", p. 22.
  17. Ibid., p. 21.
  18. Ibid., p. 22; Boyce, "Textual Sources", p. 13.
  19. Boyce, "Zoroastrianos", p. 22.
  20. Ibid.
  21. Boyce, "Textual Sources", p. 14.
  22. Ibid.
  23. Gatha: Yasna 30, citado em Zaehner, "Dawn", p. 42.
  24. Ibid.
  25. Zaehner, "Dawn", pp. 42-43.
  26. Gatha: Yasna 45.2, citado em Zaehner, "Dawn", p. 43.
  27. Zaehner, “Zoroastrianism,” pp. 211, 210.
  28. Ibid., p. 211.
  29. Gatha: Yasna 48.10, citado em Zaehner, “Zoroastrianism,” p. 211.
  30. Zaehner, “Zoroastrianismo,” p. 211.
  31. Gatha: Yasna 32.11, citado em Zaehner, “Zoroastrianism,” p. 211.
  32. Zaehner, "Dawn", p. 36.
  33. John B. Noss, "Man's Religions", 5ª ed. (Nova York: Macmillan Publishing Co., 1974), p. 443.
  34. Ahuna Vairya, em Boyce, "Textual Sources", p. 56.
  35. Simmons, entrevista por telefone, 28 de junho de 1992.
  36. Zaehner, “Zoroastrianism,” p. 213.
  37. Zaehner, "Zoroastrianismo", p. 221.
  38. Boyce, "Zoroastrians", pp. 31–32.
  39. Zaehner, "Dawn", pp. 47-48.
  40. Springett, "Zoroaster", p. 60.
  41. Ibid., p. 32.
  42. Boyce, "Zoroastristas", p. 79.
  43. Ibid., p. 226.
  44. Zaehner, “Zoroastrianism,” p. 222.
  45. Farhang Mehr, "The Zoroastrian Tradition: An Introduction to the Ancient Wisdom de Zaratustra" [A tradição zoroastriana: uma introdução a sabedoria antiga de Zaratustra] (Rockport, Mass .: Element, 1991), p. 93.
  46. Ibid., Pp. 94, 93, 70; entrevista por telefone com Farhang Mehr, 1 de julho de 1992.
  47. Mehr, "Tradição Zoroastriana", pp. 94-96.