Micah

From TSL Encyclopedia
Revision as of 15:09, 16 May 2020 by Tmoras (talk | contribs) (Created page with "Micah diz: “Dependeis totalmente do poder invencível de Deus que faz bater os vossos corações e, portanto, os vossos corações devem bater em uníssono com os corações...")
Jump to navigation Jump to search
Other languages:
English • ‎español • ‎português • ‎русский
Josué atravessando o rio Jordão com a Arca da Aliança, Benjamin West (1800)

Micah, o Anjo da Unidade, é filho do Arcanjo Miguel. Ele e as suas legiões servem guardando a unidade da consciência Crística em toda a humanidade. A sua tarefa é expandir a paz e a harmonia da unidade, pelo mundo inteiro.

Com as crianças de Israel

Micah foi o anjo que protegeu os filhos de Israel quando vagueavam pelo deserto. Ele apareceu a Moisés e assistiu-o durante os quarenta anos da jornada dos israelitas pelo deserto. Separou as águas do mar Vermelho, e focalizou a coluna de fogo, à noite. Durante o dia, as suas legiões eram a coluna de nuvem.[1]

Podemos visualizar Micah na coluna de nuvem de fogo branco que acompanhou os filhos de Israel. A sua coroa de luz, ou auréola, carrega uma concentração extraordinária de luz azul, enquanto as vestes focalizam o intenso e ígneo rosa do amor no interior do relâmpago azul que ele usa em prol da libertação da humanidade.

Em Valley Forge

Artígo principal: [[Special:MyLanguage/a visão de Washington|{{{2}}}]]

Durante o longo inverno em Valley Forge, Micah apareceu a George Washington e mostrou-lhe três grandes perigos que assolariam a América: a Guerra da Independência, a Guerra de Secessão e um terceiro conflito mundial. Segundo o relato de Anthony Sherman sobre essa visão, Washington afirmou ter visto os habitantes da América “...em luta uns contra os outros. Continuei olhando e vi um anjo luminoso – em cuja testa repousava uma coroa de luz, onde estava inscrita a palavra ‘União’ e que segurava a bandeira americana, que colocou no meio da nação dividida, e disse: ‘Lembrai-vos de que sois irmãos’. Imediatamente, os habitantes, descartando as armas, mais uma vez se tornaram amigos e se uniram em torno da bandeira nacional”.[2]

Seu serviço hoje

Micah defende a união dos cinquenta estados da América e o destino da nação. Ele vem trazendo a herança dos patriarcas da Lei, dos patronos da vida e dos patriotas de todas as eras, além de manter o conceito de união dos filhos de Israel que voltaram de novo. Micah, o Espírito da Unidade, preservou a América, como uma nação formada por cinquenta estados soberanos.

Micah diz: “Dependeis totalmente do poder invencível de Deus que faz bater os vossos corações e, portanto, os vossos corações devem bater em uníssono com os corações dos anjos, na batida cósmica da unidade”.308

Micah once said that every individual must “stand guard every moment at his own doorstep to keep his house sweet and his heart a gateway for praise, wherein the glory of unity is preferred above all else.”[3] In order to stand guard to protect unity, we must start with ourselves and then move to the circle of our communities and nations. As Gandhi once said: “You must be the change you wish to see in the world.”

Sources of disunity on a national scale will not go away overnight. They take concerted work. They take sustained calls to Archangel Michael and his son, Micah. They take lots of violet flame to transmute the records and the hurts and wounds of the past.

We can perform a great service for the world if we concentrate our prayers and our violet-flame decrees into situations of discord. We must also be examples of the flame of unity and of community, right where we are.

Micah has sponsored a “Meditation for Unity” that we can give to help bring resolution into any situation of conflict.[4] Saint Germain’s “Ritual for the Creation of the Cloud” can also be extremely effective for resolving both personal and world problems.

See also

Archangel Michael

Sources

Mark L. Prophet and Elizabeth Clare Prophet, The Masters and Their Retreats, s.v. “Micah.”

  1. Êx 13:21-22; 14:21-30.
  2. Elizabeth Clare Prophet e Mark L. Prophet, A Alquimia de Saint Germain, Editora Nova Era, 2005, p. 126-132.
  3. Ibid.
  4. Ibid.